UFPR promove pesquisas e plantio de araucárias em Moçambique

Foto: Reprodução/RPC

Um projeto desenvolvido pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba, promove pesquisas e o plantio de araucárias, árvores nativas do estado, em Moçambique, na África.

O local escolhido para o desenvolvimento das árvores é a região serrana de Manica, na fronteira entre Moçambique e o Zimbabwe.

Na região, funciona, há pouco mais de 30 anos, um projeto de cooperação entre Brasil e Moçambique. O professor Dartagnan Emerenciano, que coordena a iniciativa, comentou que é uma oportunidade de despertar, nos moradores da região, a consciência ambiental para a preservação de florestas nativas e ainda oferecer alimento para o povo local, que sofre com a escassez de comida.

“Nós promovemos o que chamamos de manejo comunitário, que é permitir que a população local plante a sua cultura local, como milho, feijão e mandioca, entre as linhas dos plantios. Nós plantamos as araucárias num espaçamento um pouquinho maior pra permitir esta combinação”, diz Dartagnam.

As condições do clima, muito parecidas com as da região sul do Brasil, território de origem da araucária, favorecem o desenvolvimento dos pinheiros em terras africanas.

“As condições climáticas são muito parecidas com a nossa e a altitude também. Vamos ver o desenvolvimento, as condições de solo, mas, pelo que estou acompanhando até o momento, é como se tivéssemos plantado aqui”, destacou o pesquisador.

No ano passado, por causa da pandemia da Covid-19, os especialistas da UFPR não puderam ir à África para acompanhar presencialmente as ações e, mais recentemente, conflitos tribais também se tornaram um obstáculo.

Professor Dartagnan comentou que as equipes monitoram o projeto à distância, com a ajuda de pesquisadores moçambicanos. Em Rio Negro, no sul do estado, numa estação experimental, pinheiros plantados na mesma época dos de Moçambique dão uma ideia de como está o projeto por lá.

“A nossa ideia é não deixar a araucária morrer. Em qualquer parte do mundo onde pudermos colocar uma araucária, nós vamos colocar, e espero que cresça”, concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prefeito de Foz está com covid

O prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro (PSD), já pode pedir música no Fantástico. Pela terceira vez, agora nesta quinta-feira, 27, Brasileiro testou positivo para Covid. O prefeito começou a sentir os sintomas na tarde desta quarta-feira, 26, e cancelou sua agenda em Curitiba – fez as reuniões por videoconferência. Chico Brasileiro está com sintomas leves, isolado, trabalhando em casa.

Sua mulher, Rosa Jeronymo, secretária municipal de Saúde, também testou positivo para a doença. A secretária está bem, apenas com sintomas leves. Ela segue trabalhando de casa, com reuniões on-line, acompanhando a situação da rede municipal de saúde.

Uenp confirma retorno às aulas presenciais

As aulas presenciais na Uenp serão retomadas regularmente no próximo 7 de fevereiro, seguindo decisão dos conselhos superiores da universidade. A reitoria adiantou que a medida é válida para todos os cursos de graduação e pós-graduação nos três campi: Jacarezinho, Cornélio Procópio e Bandeirantes.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) lembra que é importante a adoção de todas as medidas sanitárias no combate à propagação da pandemia. “Os estudantes de todos os níveis de ensino devem ficar atentos à programação do curso e aos protocolos de biossegurança para evitar a proliferação da variante ômicron, que tem maior poder de transmissão”, alerta.

A reitora Fátima Padoan disse que a Uenp vai desenvolver atividades remotas de orientação pedagógica e sanitária para a comunidade universitária entre os dias 2 e 4 de fevereiro, para que os estudantes se preparem para o retorno presencial.

Em 2021, a Uenp já havia retomado as atividades presenciais dos cursos da área da Saúde, nos campi de Jacarezinho e Bandeirantes. Portanto, para os alunos deste segmento, as aulas presenciais recomeçam regularmente a partir do dia 2 de fevereiro.