Trabalhadores do transporte coletivo receberão vacina contra covid-19

O Ministério da Saúde informou que os trabalhadores do transporte coletivo rodoviário urbano e de longo curso de passageiros serão contemplados na campanha de vacinação contra covid-19, com as novas doses de imunizantes que estão sendo enviadas a estados e ao Distrito Federal. Ainda serão atendidos os trabalhadores de educação do ensino superior, que também fazem parte dos grupos prioritários da vacinação.

Apesar desses dois grupos terem sido contemplados só agora no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19, em alguns estados e municípios já vinham sendo vacinados por iniciativa das gestões locais, que também tem autonomia sobre seus planos, de acordo com as realidades regionais.

De acordo com a pasta, mais 7 milhões de doses serão distribuídas em até 48 horas. “A novidade fica por conta do imunizante da Janssen: o primeiro lote que chegou ao Brasil nesta terça-feira (23), com 1,5 milhão de doses, já começa a ser entregue às Unidades Federativas. A distribuição também conta com 3,2 milhões de doses do Butantan e outros 2,3 milhões de doses da Pfizer”, explicou.

As novas remessas também são destinadas para vacinação de trabalhadores do ensino básico, forças de segurança e salvamento, Forças Armadas, pessoas com comorbidades, gestantes e puérperas com comorbidades e pessoas com deficiência permanente.

Medidas não farmacológicas

As orientações sobre a vacinação e a divisão das doses por Unidade Federativa estão no novo informe técnico do Ministério da Saúde, divulgado hoje (23). A estratégia de distribuição é definida em reuniões entre União, estados e municípios, observando as confirmações do cronograma de entregas por parte dos laboratórios.

O documento reforça que, considerando o atual cenário de transmissão comunitária de covid-19 em todo o país, as medidas não farmacológicas de prevenção devem ser mantidas, como uso de máscara, distanciamento social, etiqueta respiratória e higienização das mãos e objetos pessoais.

“Ressalta-se que o impacto esperado das ações de vacinação se inicia após cerca de 30 dias da distribuição da vacina, considerando os tempos operacionais bem como o tempo necessário para o desenvolvimento da resposta imune. Desta forma, não se pode considerar a vacinação como uma resposta imediata para contenção da circulação do vírus, sendo uma medida preventiva para redução da ocorrência de casos graves e óbitos a médio e longo prazo”, diz o documento.

Segundo o Ministério da Saúde, até agora, já foram distribuídas mais de 123 milhões de doses de vacinas contra covid-19 dos laboratórios contratados – contando com essa nova pauta de distribuição, a 27ª, serão mais de 129 milhões de doses entregues. Ainda de acordo com a pasta, mais de 90 milhões de doses já foram aplicadas, sendo que mais de 40% da população-alvo de 160 milhões de brasileiros já recebeu a primeira dose da vacina.

com informações da Agência Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paraná registra 7.611 novos casos de Covid-19 no boletim deste sábado, 537 a mais que na sexta

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste sábado (8) mais 7.611 casos confirmados e três mortes — referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas — em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Há ajustes ao final do texto.

Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.619.284 casos confirmados e 40.688 mortos pela doença.

MONITORAMENTO – A Sesa está monitorando a situação epidemiológica do Paraná e o crescimento no número de casos diários divulgados pela pasta. Neste momento, o aumento está diretamente ligado com a maior circulação de pessoas em todo o Estado, devido as festividades de fim de ano.

Além disso, deve-se considerar um atraso no envio de amostras para os laboratórios credenciados do Estado como o Laboratório Central do Paraná (Lacen/PR) e Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP) na última semana, também relacionado com os recessos e feriados.

Foto: ilustrativa/ reprodução

Paraná confirma três primeiros casos de infecção simultânea de Covid-19 e H3N2

O Paraná confirmou, nesta sexta-feira (7), os primeiros casos de infecção simultânea de Covid-19 e gripe Influenza A H3N2. Os registros ocorreram em CuritibaPinhais, na região metropolitana, e em Toledo, no oeste do estado.

Os casos constam no boletim desta sexta da Secretaria de Saúde (Sesa), que monitora os pacientes coinfectados. A pasta informou que eles tem idades entre 10 e 29 anos.

Segundo a Sesa, a data de início dos sintomas das três pessoas aconteceu entre 18 de dezembro de 2021 e 2 de janeiro de 2022. Todos já são considerados curados.

Em Dois Vizinhos, no sudoeste do estado, a prefeitura confirmou, também nesta sexta, um caso de infecção dupla de um homem de 32 anos. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, ele está bem. O homem já estava com duas doses da vacina contra a Covid-19.

A secretária municipal de saúde do município, Claudete Meurer, informou que o caso de dupla infecção em Dois Vizinhos é considerado de importação, ou seja, quando o paciente contrai a doença por pessoas de fora do estado.

H3N2

No boletim da Sesa, também foram divulgadas duas novas mortes por H3N2, de um homem de 73 anos e de uma mulher de 47 anos, moradores de Londrina e Curitiba.

Com as novas confirmações, o Paraná soma 483 casos de gripe e seis mortes pela doença.

Foto: reprodução