Sandro Alex será o próximo secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná

O deputado Sandro Alex (PSD) será o secretário estadual de Infraestrutura e Logística. A indicação foi confirmada hoje por Ratinho Junior. O futuro secretário disse que o convite feito pelo governador eleito veio junto com a responsabilidade de a área de infraestrutura e logística ser um dos principais pilares da próxima gestão. “Tenho muito orgulho desse convite e sei da responsabilidade que estou assumindo. O governador me passou a determinação de construir e projetar uma infraestrutura no Paraná capaz de sustentar o crescimento econômico do nosso estado para as próximas décadas”, destacou. As informações são de Fábio Campana

Formado em Direito pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Sandro Alex fez curso de Liderança Pública na Georgetown University, em Washington, nos Estados Unidos. Eleito para o terceiro mandato de deputado federal foi o mais votado entre os deputados que buscaram a reeleição no Paraná.

Na Câmara Federal, Sandro Alex foi vice-presidente e representante do Paraná no Conselho de Ética da Câmara Federal. Foi o quarto deputado mais bem avaliado do país no Ranking da revista Veja e considerado o oitavo melhor deputado do país pelo Núcleo de Estudos do Congresso e 8º do país.

link nota
https://www.fabiocampana.com.br/2018/12/sandro-alex-sera-o-proximo-secretario-de-infraestrutura-e-logistica-do-parana/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Investimentos do Estado em conservação de rodovias somam R$ 636,7 milhões em 2021

O Governo do Estado, por meio do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER/PR), investiu R$ 636,7 milhões em serviços de conservação nas rodovias estaduais em 2021. São melhorias em pontos críticos do pavimento e no entorno das pistas, aumentando a segurança e o conforto para os condutores e passageiros.

“Este ano nossos condutores encontraram rodovias em boas condições em todas as regiões do Paraná, com frentes de trabalho atuando sem parar, fechando buracos, fazendo recape, e garantindo a sinalização que aumenta a segurança dos usuários” afirma o secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná, Sandro Alex. “Praticamente dobramos o valor investido em conservação este ano, em relação ao início da gestão, quando recebemos rodovias sucateadas e contratos paralisados. Com muito trabalho, conseguimos colocar a casa em ordem”.

Os serviços são realizados por meio de três programas: Conservação e Recuperação com Melhorias do Estado do Pavimento (Cremep), Conservação de Pavimentos (COP) e Conservação de Faixa de Domínio. O Cremep contempla cerca de 4.000 quilômetros de rodovias estaduais, em sua maioria corredores de transporte regionais ou estaduais. Devido ao tráfego elevado e a presença de veículos pesados, elas exigem soluções mais complexas para melhorar o estado do pavimento. Este programa recebeu R$ 218,9 milhões.

O COP contempla cerca de 6.000 quilômetros de rodovias estaduais com menor tráfego e menos veículos pesados. No caso destas rodovias, os serviços são mais corretivos. Para esse programa o montante foi de R$ 336,5 milhões.

Os dois programas empregam serviços semelhantes, mas utilizados de forma específica para as necessidades de cada rodovia. São serviços de remendos superficiais e profundos, fresagem, reperfilagem, microrrevestimento, melhorias no sistema de drenagem e na sinalização.

FAIXAS DE DOMÍNIO – O programa Conservação de Faixa de Domínio se estende a todas as rodovias estaduais, realizando serviços de conservação na pista e em seus espaços laterais, pertencentes ao patrimônio público. Foram investidos R$ 81,35 milhões para a realização de 24 diferentes serviços em toda a malha rodoviária estadual, como roçada, remoção de resíduos, limpeza, recomposição e desobstrução de sarjeta, limpeza de valetas, limpeza de bueiro, capina, limpeza e pintura de meio-fio, de pintura de pontes e limpeza de pintura de abrigo de ônibus.

SEGURANÇA VIÁRIA – Em 2021 foi lançado o novo Programa de Segurança Viária das Rodovias Estaduais (Proseg Paraná) do DER/PR, que já teve todos os seus lotes licitados e contratados. Trata-se de uma das maiores iniciativas voltadas exclusivamente para a segurança viária no Brasil, prevendo a elaboração de projetos executivos, execução de sinalização horizontal e de sinalização vertical e a instalação de dispositivos de segurança, além da manutenção e reposição no caso de vandalismo, furto ou danos, com um prazo de 36 meses para atender todos os 9.965,43 quilômetros contemplados.

“Vamos investir R$ 412 milhões no Proseg Paraná ao longo dos próximos anos, reduzindo os acidentes nas rodovias estaduais, bem como a gravidade dos acidentes que ainda ocorrerem, preservando vidas”, explica o diretor-geral do DER/PR, Fernando Furiatti.

REGIÕES – Este ano também foram assinados os contratos de conservação de 307,56 quilômetros de rodovias na região Noroeste, e 193,27 quilômetros na região Oeste, em substituição a contratos antigos que não estavam em andamento, um investimento de R$ 99.903.700,88.

Com o término próximo de alguns contratos do Cremep e COP, o DER/PR também iniciou a licitação de mais serviços de conservação. Na região Central do Estado e no Centro-Sul está em andamento uma licitação em dois lotes que prevê investimento de R$ 55,33 milhões para atender 520,25 quilômetros de rodovias.

E com o encerramento dos pedágios do Anel de Integração, o DER/PR já contratou a conservação das rodovias estaduais antes pedagiadas, até o início do novo programa federal de concessões rodoviárias, um investimento de R$ 93,49 milhões. Também está licitando a contratação de serviços de guinchos para atender as rodovias estaduais e federais que deixaram de ser concedidas, um investimento estimado em R$ 99,73 milhões.

AEN

Foto: José Fernando Ogura/AEN

Retomada da economia, emprego e olhar social: as diretrizes do Governo para 2022

Fortalecimento da economia, consolidação da geração de empregos e ampliação do olhar social. Essas serão as diretrizes que vão guiar o Governo do Estado em 2022, o quarto ano da gestão Carlos Massa Ratinho Junior à frente do Paraná.

Com indicadores em alta e um vasto conjunto de obras espalhado por todas as regiões, o governador busca a maturação dos projetos iniciados em 2019. “O balanço até aqui é positivo, bem positivo”, diz, enquanto esboça o planejamento para a próxima temporada. Ele apresentou um panorama da gestão a diversos veículos de comunicação nesta quarta-feira (22).

O otimismo é porque Ratinho Junior conseguiu tirar do papel quase tudo o que propôs para o desenvolvimento do Paraná. Com facilidade, cita números, obras e programas que estão transformando o Estado. Lembra a abertura de mais de 176 mil empregos formais, aqueles com carteira assinada, entre janeiro e outubro deste ano.

“E vamos chegar a 200 mil ou algo perto disso. Quando montei meu plano de governo, projetei a criação de 400 mil postos de trabalho em quatro anos. Mas só em um ano, agora em 2021, já chegamos a metade disso. Sem contar que em 2019 e 2020, apesar da pandemia, também fechamos no positivo (51,4 mil e 52,6 mil, respectivamente). É, sem dúvidas, o recorde do Paraná na criação de empregos”, afirma. “E não tem jeito: o trabalho é a melhor política social que existe”.

O mercado aquecido para quem quer deixar de frequentar as estatísticas do desemprego é, na visão do governador, a consequência de duas outras medidas tratadas como prioridade dentro esfera estadual: atração de investimentos e estruturação logística.

Foram, de acordo com a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e Turismo (Sedest), R$ 100 bilhões em licenciamentos para a implantação investimentos privados desde 2019.

“Apenas nesses últimos dias do ano anunciamos a retomada da fabricação da Audi em São José dos Pinhais; investimentos da Klabin em obras de infraestrutura; novo acordo com a DAF em Ponta Grossa; e a construção do novo empreendimento da Unium, também nos Campos Gerais. Somando esses quatro investimentos passa de R$ 1,3 bilhão”, destaca o governador.

Recursos novos que chegam ao Estado em razão de outra política proposta por Ratinho Junior: a de transformar o Paraná no hub logístico da América do Sul. Com isso em mente, o governador começou a tirar obras emblemáticas das pranchetas dos arquitetos e engenheiros.

Assim nasceu a Nova Ferroeste, ramal ferroviário que vai ligar Maracaju, no Mato Grosso do Sul, ao Porto de Paranaguá, ação bilionária que está à beira de chegar à Bolsa de Valores de São Paulo (B3). Ou os 3,3 mil quilômetros de rodovias federais (65%) e estaduais (35%) que serão concedidas, também com a chancela da B3, à iniciativa privada, com a garantia de menor tarifa de pedágio e investimento de R$ 44 bilhões em obras, boa parte delas em duplicações.

Ratinho Junior cita ainda a construção da segunda ponte com o Paraguai, em parceria com a Itaipu Binacional; a revitalização da orla de Matinhos, com a assinatura da ordem de serviço prevista para ocorrer em janeiro; o projeto da ponte de Guaratuba; a modernização do Porto de Paranaguá; e o novo Trevo Cataratas, em Cascavel, como outros projetos impactantes em andamento.

“O investidor busca estrutura logística para poder entregar com rapidez e menor custo aquilo tudo que produz. E por oferecer essas condições, o Paraná virou uma grande referência para eles”, diz. “Sem contar o bom momento político e a desburocratização da máquina pública, fatores essenciais para quem quer investir, ganhar seu dinheiro e gerar emprego e renda”.

SOCIAL – Movimentação econômica que ajuda a pulverizar ações sociais dos mais diversos segmentos. Ele destaca a criação do Paraná Solidário, pacote que amplia os benefícios voltados a pessoas em situação de vulnerabilidade social e econômica do Estado.

Entre outras ferramentas, torna permanente o programa Comida Boa, que permite a transferência de renda a pessoas em situação de pobreza e extrema pobreza que não são atendidas pelo Auxílio Brasil, do governo federal, além de estender o alcance das tarifas sociais de água e luz e o valor do aluguel social dos moradores de áreas que estão sendo requalificadas nos municípios.

A efetivação dos programas Comida Boa, Energia Solidária, Água Solidária e do Aluguel Social se somam a outras iniciativas do Governo do Estado voltadas ao público mais vulnerável. A previsão é que mais de 1 milhão de pessoas sejam impactadas pelas ações, que juntas terão investimentos de cerca de R$ 485,6 milhões por ano, com recursos oriundo de diferentes fontes.

Além disso, por meio da modalidade programa Casa Fácil Paraná, chamada Valor de Entrada, o Estado pretende bancar até R$ 15 mil do valor de entrada de imóveis para a população de baixa renda. Serão 30 mil residências dentro deste escopo social.

“Este é o maior pacote social do Brasil e atende uma cadeia ampla, para que as pessoas tenham o mínimo de condições para ter qualidade de vida e ser feliz. É nossa obrigação como Estado cuidar de quem mais precisa”, afirma. “E ano que vem é pé no acelerador. A ideia é manter esse ritmo”, arremata.

Foto: Rodrigo Felix Leal/AEN