Romanelli e Rafael Bolacha anunciam R$ 4,5 milhões em obras para Moreira Sales e Paraná do Oeste

O deputado Romanelli (PSB) e o prefeito Rafael Bolacha (MDB) entregaram nesta quinta-feira, 13, uma série de obras e veículos e ainda anunciaram novos investimentos em Moreira Sales – cidade da região Noroeste. O total de investimento chega a R$ 5,5 milhões e parte dele vai atender o distrito de Paraná do Oeste. “São obras, equipamentos e caminhões que mostram, com apoio do Estado, o novo ciclo desenvolvimento em Moreira Sales e a competência do prefeito Rafael Bolacha e equipe na condução de projetos que estão sendo executados”, disse Romanelli, “Nós acolhemos o deputado Romanelli com muito carinho porque a sua liderança no Estado tem se transformado em obras que atendem Moreira Sales e o distrito Paraná do Oeste. São recursos e demandas reivindicados que estão sendo entregues ou que serão executados em 2020 executados. São mais de R$ 5,5 milhões em investimentos”, disse o prefeito. 

Rafael Bolacha adiantou que a prefeitura tem novos projetos tramitando junto com as secretarias de Estado e que não tem dúvida que até o final de 2020 novos investimentos serão anunciados. “Digo à toda a população. É mais trabalho, mais comprometimento, mais transparência e mais união em prol de Moreira Sales. Obrigado Romanelli e obrigado governador Ratinho Júnior”.

Moradias – Dos novos investimentos, a cidade vai receber R$ 4,5 milhões, dos quais R$ 540 mil serão para o Distrito Paraná do Oeste. Na área de habitação, terá R$ 2,5 milhões para a construção de 29 moradias. “Moreira Sales tem alta demanda para moradias, são mais de 500 famílias. As 29 casas começam resolver essa problema no Jardim Por do Sol, na Vila Belém, que é o maior bairro da cidade”, disse Romanellli.

A prefeitura vai receber ainda mais R$ 330 mil para compra de um caminhão prancha, R$ 170 mil para uma ambulância, R$ 250 mil para recapeamento asfáltico, R$ 370 mil para instalação de uma arena esportiva, R$ 120 mil para kit central de abastecimento (saveira, lavadora, 30 palets, 87 caixas, uma balança e dois carrinhos), R$ 350 para um caminhão de leite e R$ 50,5 mil para uma horta comunitária que será coordenada pelo grupo de terceira idade

No distrito Paraná do Oeste, Romanelli e Rafael Bolacha anunciaram R$ 170 mil para compra de uma ambulância e R$ 370 mil para instalação de uma arena esportiva. Também firmaram dois convênios para nova remessa de 1.630 tubos. “Parte dos tubos vai atender os problemas de escoamento de águas pluviais e o escoamento da produção agrícola e de granjas. A instalação dos tubos vai atender 2,1 mil pessoas”, disse.

Obras – Entre as entregas e inaugurações, o deputado e o prefeito entregaram dois caminhões basculantes (R$ 656 mil), o recapeamento asfáltico e de ruas e avenidas (R$ 440 mil) e o Aterro do Casturino. “Este aterro sempre foi visto como um problema crônico. As águas da cidade, a maioria desemboca neste rio. Assim toda chuva de grande volume rodavam os tubos . Moradores e produtores de leite que necessitam de passagem eram muito prejudicados. Agora com 16 tubos de dois metros o problema foi resolvido”.

Inauguraram ainda a reforma completa da Escola Estadual Moreira Sales (R$ 326 mil).  “A escola com 490 alunos há bastante tempo não contava com uma boa reforma, a cobertura estava danificada e a quadra de esportes há muito tempo precisava de melhorias”, disse o prefeito. Foi entregue ainda a reforma dos banheiros do Colégio Estadual João Theotonio (R$ 40 mil). “O colégio tem 560 alunos e ocupa o mesmo prédio da escola municipal Eulália que possui 400 alunos, somam-se assim quase 1000 alunos atendidos pelos banheiros que estavam em péssimo estado”. Nas obras, os recursos foram destinados pela Fundepar.
No Paraná do Oeste, foi entregue o asfalto fresado em oito trechos do distrito com 2,1 mil moradores e do aterro do Boton que substitui a a ponte que estaca deteriorada. “Neste aterro foram instalados oito tubos de dois metros. O aterro atenderá o Bairro Taquari para passagem de moradores e o escoamento da safra agrícola”, disse Romanelli.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Romanelli defende novas audiências públicas nas cidades que serão cortadas pelo pedágio

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) alertou nesta terça-feira, 23, da necessidade de audiências públicas nas cidades que terão suas áreas urbanas cortadas pelas rodovias que serão pedagiadas conforme proposto pelo governo federal. “Já identificamos que um dos problemas, objetivamente, é a ausência de audiência pública pela ANTT e pela EPL”, disse Romanelli na audiência pública que apontou os passivos deixados pelas atuais concessionárias.

“Os municípios paranaenses que serão cortados nas suas áreas urbanas pelas rodovias federais e estaduais que integrarão esse programa de concessão, não foram ouvidos nas suas áreas técnicas, não houve uma interface para discutir quais são as obras que serão realizadas”, completou o deputado.

A falta das consultas, entende Romanelli, pode gerar no futuro um problema grave. “Temos que propor no âmbito do TCU (Tribunal de Contas da União) a realização de audiências públicas regionais para poder debater as obras de cada um dos municípios que têm parques industriais e áreas habitacionais. Eles não podem ficar seccionados”, disse.

Obras

“Temos muitas vias marginais que têm que ser construídas, trincheiras, passarelas. Esse é um tema que tem que ser discutido com os gestores municipais. Esse é um ponto fundamental neste momento depois do fim do contrato”, aponta Romanelli.

A audiência pública desta terça-feira, disse Romanelli, apontou os erros, equívocos e as “malandragens” que foram cometidas ao longo de 24 anos. “Foi um rastro de exclusão de obras tão importantes para o Paraná, duplicações, trevos, vias marginais, intersecções, enfim, tantas obras importantes que não foram realizadas”.

“Temos que construir soluções consensuadas para que todos os paranaenses possam de fato ter um modelo que tenha uma tarifa de pedágio justa e a garantia da realização da obra. O passado está aí, nós vamos demonstrar, que não podemos deixar que isso seja repetido no futuro”, completou.

Itaipu, DNIT e DER-PR apresentam melhorias no projeto, novos valores e prazo para a obra da Perimetral Leste

A rodovia que vai conectar a Ponte da Integração Brasil – Paraguai à BR-277 deve ficar pronta em meados de 2023 e custar cerca de R$ 336 milhões. As mudanças no projeto, que decorrem do processo de desapropriações e inclusões solicitadas principalmente pela Prefeitura de Foz, aguardam aprovação do Conselho de Administração da Itaipu.

A construção da Perimetral Leste, uma das mais importantes obras em andamento com recursos da margem brasileira da Itaipu Binacional, deve ser concluída em meados de 2023, com novas estruturas incorporadas ao projeto, que o tornam ainda mais adequado às necessidades da comunidade das Três Fronteiras. As mudanças serão aprovadas pelo Conselho de Administração da Itaipu Binacional.

O andamento dos trabalhos foi debatido em reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), na sede da Associação Comercial e Empresarial (Acifi), na sexta-feira (17).

As atualizações do projeto, iniciadas em março deste ano, foram apresentadas conjuntamente por Itaipu, Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR) e Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). Na plenária com representantes da sociedade civil e do poder público, foram esclarecidas dúvidas e recebidas sugestões.

O objetivo do encontro foi dar transparência sobre a construção da rodovia de 15 quilômetros que vai ligar a Ponte da Integração Brasil – Paraguai (já com 67% das obras executadas e previsão de entrega em julho de 2022) à BR-277 e melhorar a mobilidade na região trinacional, principalmente por meio do desvio do tráfego pesado de caminhões das vias centrais de Foz do Iguaçu.

A Ponte da Integração e a Perimetral Leste integram o rol de obras estruturantes altamente estratégicas para o progresso regional financiadas pela margem brasileira da Itaipu – que mobilizam atualmente cerca R$ 2,5 bilhões, atendem à missão institucional da empresa (contribuir com desenvolvimento sustentável no Brasil e no Paraguai) e representam um novo marco desenvolvimentista para a região.

Durante a reunião, representantes da Itaipu, DER-PR e DNIT– entidades responsáveis pela construção – atualizaram o andamento dos trabalhos. Segundo o diretor do DER-PR, Fernando Furiatti, nos próximos meses será feito um mutirão para a desapropriação de 56 propriedades na área entre a ponte e a Rodovia das Cataratas, o que vai permitir a evolução das obras naquele trecho.

“Vamos priorizar locais onde já temos a autorização dos proprietários para trabalhar”, explicou. As atividades também acontecem em outros pontos, como no acesso à Avenida General Meira e no viaduto que ligará à Ponte Tancredo Neves, na fronteira com a Argentina.

Novo valor

De acordo com o superintendente de Obras e Desenvolvimento da Itaipu, Kléber da Silva, a construção da perimetral vai custar R$ 336 milhões, valor superior ao previsto inicialmente. O aditivo ocorre, principalmente, por causa da valorização imobiliária das áreas em processo de desapropriação e de alterações importantes no projeto, que o tornaram ainda melhor e mais adequado às necessidades da comunidade local e dos órgãos alfandegários.

Com a expectativa da construção da futura rodovia, houve uma mudança nas características da região e aumento do valor dos terrenos. No total, 191 propriedades precisam ser desapropriadas para permitir o andamento da obra. Também foram feitos acréscimos significativos no projeto: a construção de dois novos viadutos – no cruzamento da Perimetral com as avenidas Felipe Wandscheer e República Argentina – e ampliações das duas aduanas para controlar o fluxo de pedestres e carros de passeio.

Essas alterações foram solicitadas principalmente pela Prefeitura de Foz do Iguaçu, em atendimento a pedidos da comunidade, e foram acatadas pelos órgãos responsáveis pela obra.

“Como o modelo do convênio de execução da obra prevê que todo aditivo financeiro seja autorizado pela financiadora”, explica Kléber da Silva, “dependemos, agora, da aprovação do Conselho de Administração da Itaipu para que seja efetivado esse aumento de repasse e os trabalhos tenham continuidade”. Formado por brasileiros e paraguaios, o Conselho de Administração se reúne a cada dois meses para deliberar e decidir sobre temas pertinentes à gestão da empresa.

A importância da obra foi destacada por todos durante a reunião do Codefoz. “Quando concluída, essa rodovia vai retirar do centro de Foz do Iguaçu o tráfego de caminhões pesados e, casada com a segunda ponte, vai transformar o trânsito da cidade”, considerou o chefe de gabinete da Diretoria Geral Brasileira da Itaipu e vice-presidente do Codefoz, coronel Robson de Oliveira.

O prefeito Chico Brasileiro ressaltou a relevância do investimento para o município. “É, certamente, uma das mais importantes obras em execução no Brasil no momento e isso é um privilégio para Foz do Iguaçu”, declarou o gestor, durante a reunião do conselho.

“Recebemos muitos esclarecimentos que nos deixam tranquilos sobre o andamento da obra”, afirmou o presidente do Codefoz, Felipe Gonzalez. “É uma obra esperada e almejada pelos moradores das Três Fronteiras. Esse diálogo aberto entre os responsáveis pela execução do projeto e nós, sociedade civil, contribui para que o resultado final corresponda à expectativa da comunidade”, pontua.