Pesquisa da Unila aponta menor tarifa como modelo ideal ao pedágio do Paraná

O professores Ricardo Hartmann, Noe Villegas Flores e Diego Flores – do  Grupo de Pesquisa em Mobilidade e Matriz Energética da Unila – avaliaram a proposta do novo pedágio no Paraná em relação às tarifas praticadas em outros estados e países e também chegaram a conclusão que o modelo pela menor tarifa é o ideal a ser praticado nas novas concessões no estado.
Os lotes agora deverão ser licitados, conforme acordado pelo governador Ratinho Junior com o presidente Jair Bolsonaro, pelo menor preço apresentado pelos concorrentes. Esse formato substitui o modelo híbrido, proposto inicialmente pelo Ministério da Infraestrutura e que previa a oferta da menor tarifa, mas com limite de desconto e maior valor de outorga.

“O modelo definido estimula a competição. As empresas tendem a diminuir o preço para ganhar a licitação”, disse Ricardo Hartmann, professor  do curso de Engenharia de Energia da universidade. Hartmann argumenta que, no modelo híbrido, as tarifas a serem pagas pelos usuários tendem a ser mais altas. 
“Isso foi questionado pelas entidades do Paraná. Com o modelo híbrido, a tendência era que o pedágio aqui, que já é caro, continuasse alto ou pudesse aumentar. Por isso, a pressão foi grande para mudar o formato da licitação para a de menor preço”, completa.Uma das preocupações do grupo de pesquisa é que o edital preveja os investimentos a serem realizados pelas empresas de forma a não onerar o usuário. “O que a gente propõe é que o usuário só pague pelo que está usando. Se a estrada for duplicada, vai pagar pelo duplicado, se não, o preço tem de ser menor. O recurso a ser investido na duplicação tem de ser da empresa. O usuário não pode pagar por uma coisa que ele ainda não tem”,disse Hartmann, usando como referência o sistema adotado pelo Paraguai na rodovia que liga Ciudad del Este a Asunción, segundo o qual a duplicação terá de ser concluída antes da cobrança ao usuário.

Comparando
Em seus estudos o grupo também comparou dados de tráfego e valores de pedágio nas praças da Ecocataratas, entre Foz do Iguaçu e Guarapuava, e da Arteris Litoral Sul, entre Curitiba e Palhoça (SC). A Ecocataratas arrecadou,  entre 1º de janeiro e 15 de junho de 2021, R$ 150.705.894,50. A arrecadação de todas as praças de pedágio no Estado, no mesmo período, chegou a R$ 1.067.824.039,20. 
Se as tarifas cobradas fossem as mesmas praticadas pela Arteris, a Ecocataratas teria arrecadado R$ 41.059.215,38 e o Paraná todo, R$ 290.924.368,67. “O paranaense pagou quase R$ 777 milhões a mais. Essa diferença, em termos comparativos, daria para construir mais duas pontes da Integração [a nova ponte entre Brasil e Paraguai], que tem custo estimado de R$ 323 milhões.”

Essa diferença, explica Ricardo Hartmann, está relacionada com os contratos de concessão. A do Paraná, foi realizada nos anos 1990. As experiências com as concessões do Paraná, São Paulo e Rio Grande do Sul serviram como aprendizado para as licitações realizadas já nos anos 2000, comenta o docente. Também havia mais segurança por parte do mercado e mais empresas participaram da licitação, aumentando a competição e garantindo menor tarifa.

O professor chama a atenção para o prazo de concessão que está sendo proposto na nova licitação – 30 anos. “É um tempo muito longo para se conseguir corrigir eventuais discrepâncias. Já vimos com nossa experiência de pedágio que devem existir mecanismo para que erros possam ser corrigidos.”

Qualidade –  Além dos valores a serem cobrados, os integrantes do grupo de pesquisa também avaliaram a necessidade de que os contratos garantam a qualidade da via, e mais do que isso, que o usuário tenha acesso a essas informações de forma clara, podendo exercer seu direito de reivindicar atendimento às cláusulas do contrato.

“Esse novo projeto de pedágio precisa ser integrado por uma composição de novos indicadores [para atender] as necessidades atuais. Temos de construir uma metodologia a partir de novas tecnologias, inspeção e diagnóstico de superfície de rodamento e outros elementos”, pontua Noe Villegas, que atua no desenvolvimento de metodologias multicritério associadas à avaliação de componentes em rodovias e modelos de inspeção de pavimentos. 
Segundo ele, o grupo de pesquisas utiliza a experiência de estudos em áreas urbanas para construir um novo formato de avaliação para as rodovias, com diretrizes e orientações para a gestão pública. “A proposta é construir ferramentas que apoiem diretamente a entidade gestora para ter um investimento mais coerente, mais organizado.”

Uma amostra do uso de tecnologias para o acompanhamento de valores cobrados e para o controle por parte da sociedade é a utilização de softwares, como Qgis e o GeoNode para a edição de planilhas, tabelas e mapas que podem ser acessados por qualquer pessoa na internet. “A ideia é tratar as informações que são criadas na pesquisa e disponibilizar numa plataforma web ou criar mapas estáticos que possam ser trabalhados na forma de documentos técnicos”, explica Diego Flores, que está desenvolvendo as ferramentas.

Fundo – 
O grupo defende a inclusão de um percentual sobre a arrecadação bruta das empresas para investimentos em pesquisa e desenvolvimento tecnológico, a exemplo do que ocorre nas áreas de petróleo e energia elétrica. “Nossa proposta é que 0,5% do total bruto arrecadado pelas empresas seja direcionado para um fundo de pesquisa e desenvolvimento tecnológico que financie a inovação”, diz Hartmann. 
Esse fundo seria gerido por instituições de ensino e pesquisa, agências governamentais e representantes da sociedade civil. “É imprescindível que exista esse financiamento porque parte do que as pessoas irão pagar será reinvestido na melhoria da rodovia, no aumento da segurança, em pesquisa por novos modais, instalação de ciclovias. E isso só será possível com aplicação de recursos para a pesquisa”, sustenta Ricardo. “Temos aqui no Paraná universidades e institutos com capacidade técnica muito elevada e que têm condições de desenvolver pesquisas de alto nível para a melhoria das rodovias.”  

As atuais concessões de rodovias no Paraná terminam em 27 de novembro. O grupo produziu o documento “Reflexões sobre os pedágios do Paraná”, apontando sugestões de ferramentas e resultados de pesquisas. O documento será apresentado a um grupo de deputados que acompanha o processo.

Integra do documento
https://portal.unila.edu.br/noticias/grupo-de-pesquisa-elabora-analises-e-sugestoes-para-nova-licitacao-de-rodovias-no-parana/reflexoes_tecnicas_pedagios_parana_unila_15jun2021.pdf

Vídeo da entrevista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Multinacional busca recém-formados para programa de trainee focado em diversidade; salário é de R$ 10 mil

Uma multinacional do ramo de alimentos está com inscrições abertas até 4 de fevereiro para programa de trainee focado em diversidade direcionando todas as vagas para minorias dos grupos LGBTQIA+, étnico-racial, pessoas com deficiência e mulheres.

O programa tem duração de 20 meses e ao final do processo seletivo os candidatos serão alocados em uma das cidades participantes que são: CuritibaSão Paulo ou Vitória de Santo AntãoO salário oferecido é de R$ 10 mil.

As inscrições podem ser feitas pelo site do processo seletivo. O início do programa está previsto para março deste ano. O número de vagas disponível não foi divulgado.

Foto: Prefeitura de Jundiaí/Divulgação

Itaipu sediará a primeira Conferência Global sobre Água e Energia em 2022

A Itaipu Binacional irá sediar a primeira Conferência Global sobre Água e Energia em 2022. A proposta foi anunciada e aprovada nesta quinta-feira (20), durante a 5ª Reunião do Conselho Consultivo da Parceria Soluções Sustentáveis em Água e Energia, entre a Itaipu e o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU (Undesa). Por conta dos protocolos de enfrentamento da pandemia de covid-19, a data do evento ainda está por ser confirmada.
A reunião contou com a participação dos diretores gerais da Itaipu, general João Francisco Ferreira (Brasil) e Manuel María Cáceres Cardozo (Paraguai); dos embaixadores de ambos os países junto à ONU, Ronaldo Costa Filho e Julio César Arriola Ramírez; e representantes das diversas instituições que fazem parte da iniciativa.
O sub-secretário geral da ONU, Liu Zhenmin, enviou uma mensagem gravada em vídeo, em que agradeceu o apoio da Itaipu à iniciativa, e destacou realizações da parceria, como o anúncio dos Compromissos de Energia (Energy Compacts) durante o Fórum Político de Alto Nível, no último mês de setembro, e o evento realizado em parceria com a Undesa, durante a última Conferência do Clima (COP 26), em novembro, em Glasgow, na Escócia. “A Itaipu é um destacado líder global na implementação do Acordo de Paris e da Agenda 2030”, elogiou Zhenmin, ressaltando, também, a urgência de cooperação internacional para o cumprimento dessas agendas para reverter a crise climática.
A parceria entre Itaipu e Undesa teve início em 2018, com um plano trabalho de quatro anos. Apesar das limitações impostas pela pandemia, diversas metas foram atingidas, como: a criação da Rede Global de Soluções Sustentáveis em Água e Energia (que atualmente conta com 29 membros de todos os continentes); a implantação de uma plataforma para a disseminação de boas práticas na abordagem conjunta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 6 (água) e 7 (energia); a produção de estudos de caso e relatórios; e a realização de seminários presenciais e webinars abordando diversos temas ligados a esses ODS.
Porém, em função da covid-19, a realização da conferência não foi possível. Assim, as instituições decidiram por estender a parceria neste ano de 2022, para a promoção do evento e de outras ações inicialmente previstas. A Conferência Global será realizada na Itaipu de forma binacional, com a participação de cerca de 300 pessoas de instituições de todo o mundo que trabalham com água e energia. A programação deverá incluir visitas de campo a projetos desenvolvidos pela Itaipu nas margens brasileira e paraguaia.
“Ao longo desses quatro anos, tivemos ações bem-sucedidas no compartilhamento de informações e boas práticas, que nos permitiram construir uma base que permitirá ações ainda mais efetivas ao longo de 2022, ampliando o alcance da Rede Global”, afirmou o diretor-geral brasileiro, general Ferreira. “A conferência será uma oportunidade para Itaipu reafirmar seu compromisso com o desenvolvimento sustentável na região e com a implementação da Agenda 2030 em parceria com organizações locais e internacionais”, completou o diretor-geral paraguaio, Manuel Cardozo.
Em suas mensagens, os embaixadores brasileiro e paraguaio destacaram o fato de Itaipu ser um projeto exitoso de cooperação binacional que, agora, contribui também no contexto multilateral da ONU, com ações efetivas na geração de energia limpa, e nos cuidados com o meio ambiente e com as pessoas. Também chamou a atenção dos diplomatas a expansão da rede global e os bons resultados alcançados apesar das restrições da pandemia.
A reunião do Conselho Consultivo da Parceria Soluções Sustentáveis em Água e Energia acontece anualmente para aprovação do plano de trabalho e recebimento de sugestões das instituições envolvidas. O evento desta quinta-feira, além das autoridades já nominadas, contou com a participação de Alexander Trepelkov, da Divisão para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Undesa; Haitian Lu, do escritório de Desenvolvimento de Capacidades da Undesa; Helena Felip Salazar, diretora-geral de Políticas Multilaterais, do Ministério de Relações Exteriores e coordenadora nacional da Comissão de ODS do Paraguai; Sheila Oparaocha, diretora executiva da Energia; Leena Srivastava, vice-diretora de Ciência da IIASA; Ricardo Andrade, diretor da Agência Nacional de Águas do Brasil; Manuel Menéndez Prieto, diretor-geral de Água do Ministério da Transição Ecológica da Espanha; María Haydée Jiménez, do Conselho Mundial de Energia; e Eddie Rich, diretor executivo da Associação Internacional de Hidroletricidade (IHA).

Saiba mais sobre a Rede Global:
https://www.un.org/en/waterenergynetwork

Imprensa de Itaipu
Foto: Sara Cheida/Itaipu.