Paraná exporta menos soja no 1º quadrimestre, mas produtor tem remuneração maior

O Paraná exportou 4,4 milhões de toneladas do Complexo Soja no primeiro quadrimestre do ano. Apesar da redução no volume em comparação com 2020, o produtor paranaense foi melhor remunerado. A análise está no Boletim de Conjuntura Agropecuária feito pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, referente à semana de 15 a 21 de maio.

O serviço de Estatísticas de Comércio Exterior do Agronegócio Brasileiro (Agrostat) atualizou os dados sobre a exportação brasileira entre janeiro e abril e apontou que foram enviados para o Exterior 38,26 milhões de toneladas do Complexo Soja, que engloba grãos, farelo e óleo. Isso representa aumento de 2,74% em relação ao mesmo período do ano passado.

Se for levar em consideração apenas o volume financeiro, o País recebeu US$ 16,02 bilhões pela carga exportada desse complexo. Nesse caso, o aumento foi bem maior, com crescimento de 24,23% em relação ao recebido no mesmo período do ano passado. Em volume de produtos do Complexo Soja, a soja em grãos representou 86,41%.

No caso do Paraná, as 4,4 milhões de toneladas exportadas representam redução de 27,42% comparativamente a 2020. Entraram no Estado US$ 1,86 bilhão em razão dessa oleaginosa. Apesar do menor volume, o produto paranaense foi melhor remunerado. Cada tonelada exportada foi negociada, em média, por US$ 423,88, um acréscimo de 21,36% em relação ao obtido no primeiro quadrimestre do ano passado.

Entre outros fatores que contribuíram para um volume menor de exportação de soja paranaense está a redução na produção em comparação com a safra anterior. Também é preciso levar em conta os aspectos climáticos, que foram determinantes. O período de estiagem na época da semeadura levou ao atraso no plantio em algumas regiões importantes, o que também atrasou a colheita.

Trigo e Milho

O boletim traz informações sobre os reflexos das últimas chuvas na triticultura. Foi possível avançar na semeadura na região Central e em parte dos Campos Gerais, passando de 9% para 26%. Mas em outras regiões, como Sudoeste, Oeste e Norte, as precipitações foram menores. Essa situação é preocupante, sobretudo para os locais em que o período estabelecido pelo zoneamento está se encerrando.

Sobre o milho, o registro é de preço recorde estabelecido em 14 de maio, com R$ 96,37 a saca de 60 quilos. O valor é 140% superior à média de fechamento do mês de maio de 2020. Internacionalmente, também há valorização do produto, sobretudo em razão da previsão de escassez.

Mandioca e frutas

Para a mandioca, as chuvas de 12 de maio não ajudaram muito, pois nas principais regiões produtoras ficaram abaixo de 10 milímetros. Sem umidade, os agricultores têm dificuldade para a colheita e também não conseguem avançar no plantio.

O documento preparado pelo Deral analisa, ainda, o desempenho do setor de frutas nas Centrais de Abastecimento do Paraná (Ceasa). No primeiro quadrimestre, foram comercializadas 190,8 mil toneladas (4,5% menos que no mesmo período de 2020), com movimentação financeira de R$ 575,9 milhões (15% superior a 2020).

Pecuária e mel

O boletim discorre também sobre as exportações brasileiras de carne bovina no primeiro quadrimestre, que tiveram aumento de 2% em comparação com o mesmo período do ano passado. Foram 559.839 toneladas enviadas ao Exterior.

Ao tratar da apicultura, o documento fala sobre as duas comemorações deste mês – 20 de maio como Dia Mundial das Abelhas e 22 de maio, o Dia do Apicultor – e o que esse setor representa para a sociedade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Japurá produz mais da metade de toda a acerola colhida no Paraná, diz SEAB

Acerola — Foto: Valdiney Pimenta on Visualhunt.com

Japurá, no noroeste do Paraná, a 50 quilômetros de Paranavaí, já é considerada a capital paranaense da acerola.

Segundo a Secretaria Municipal da Agricultura, a acerola é um dos principais cultivos da cidade e só perde para o milho e para a soja. São mais de cem hectares ocupados para o cultivo da fruta.

A acerola chegou ao município na década de 1980, como conta o coordenador regional de projetos do Instituto de Desenvolvimento do Paraná, Rafael Meier de Mattos.

“Naquele tempo, em virtude de uma empresa que tinha a intenção de se instalar na região, eles fizeram toda uma mobilização com os produtores, com o fornecimento de mudas. Então, esses agricultores compraram as mudas. No entanto, essa empresa acabou não conseguindo se instalar na região e houve uma decaída na produção”, afirma.

O cultivo só ganhou forças no fim da década de 1990 com a chegada de uma empresa de polpas. Hoje, são três fábricas, principais destinos das frutas.

No ano passado, a produção de acerola do município foi de 1.900 toneladas. É mais da metade de toda a acerola colhida no estado, que somou 3.681 toneladas, de acordo com a Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (SEAB).

O faturamento também ficou acima da metade: dos 14 milhões e seiscentos mil reais do valor bruto de produção da acerola no Paraná, os produtores de Japurá foram responsáveis por sete milhões e meio de reais.

“A acerola achou aqui na região e no município de Japurá as condições próprias para a cultura: um solo um pouco mais arenoso e um índice pluviométrico interessante, com mais de 1600 milímetros de chuva anual. Tudo isso favorece as exigências da cultura”, explica Rafael Meier de Mattos.

O período de colheita da acerola é longo. Os primeiros frutos ficam prontos em setembro. Em um mês, uma nova colheita pode ser feita e a última só acontece, normalmente, em maio. No Brasil, um pé de acerola produz, em média, 80 quilos de fruta por safra. Em Japurá, a média é de 120 quilos.

Na propriedade do agricultor Mauro Aparecido Zani foi registrada uma safra ainda maior. Foi o recorde paranaense, em 2019 no qual um pé de acerola rendeu 147 quilos de fruta.

Ceasas do Paraná estarão fechadas nos dias 25 e 31 de dezembro

As cinco Ceasas do Paraná (Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu) estarão fechadas nos dias 25 dezembro e 1º de janeiro. A Ceasa de Curitiba também estará fechada no dia 3 de janeiro de 2022, segunda-feira. Os respectivos mercados atendem normalmente na véspera de Natal, dia 24, sexta-feira, e na antevéspera de Ano Novo, dia 30, quinta-feira.

Já a Administração Central da Ceasa estará em recesso de 24 a 31 de dezembro, voltando no dia 3 janeiro de 2022.

Confira abaixo os respectivos endereços, horários e dias de funcionamento das Ceasas do Paraná:

Ceasa Curitiba

Dia 24 de dezembro, sexta-feira, mercado aberto

Dia 25 de dezembro, sábado, mercado fechado

Dia 31 de dezembro, sexta-feira, mercado aberto

Dia 1º de janeiro, sábado, mercado fechado

Dia 2 de janeiro, domingo, mercado fechado

Dia 3 de janeiro, segunda-feira, mercado fechado

Horários: Boxes de segunda-feira a sábado, das 4h30 às 12 horas

Mercado do Produtor, de segunda-feira a sábado das 4h30 às 12 horas

Mercado de Flores: de segunda-feira a sábado 6 às 14 horas

Endereço: BR 116, km 111, nº 22.881 – bairro Tatuquara

CEP: 81.690-901 – Curitiba – Paraná

Fones: (0**41) 3341-8300 – 3348-6690

Mercado do Produtor –(0**41) 3348-1109

Ceasa Londrina

Dia 24 de dezembro, sexta-feira, mercado aberto

Dia 25 de dezembro, sábado, mercado fechado

Dia 31 de dezembro, sexta-feira, mercado aberto

Dia 1º de janeiro, sábado, mercado fechado

Horários: de segunda, quarta e sexta-feira, das 3 às 10 horas; terça, quinta-feira e sábado, das 5h30 às 10 horas

Endereço: Av. Brasília, nº 10.000, Gleba Ribeirão Lindoia

CEP: 86.031-770 – Londrina – Paraná

Fones: (0**43) 3325-4713 – (0**43) 3325-4404

Ceasa Maringá

Dia 24 de dezembro, sexta-feira, mercado aberto

Dia 25 de dezembro, sábado, mercado fechado

Dia 31 de dezembro, sexta-feira, mercado aberto

Dia 1º de janeiro, sábado, mercado fechado

Horários: de segunda-feira a sexta-feira das 5h30 às 12 horas

Sábados: das 5h30 às 10 horas

Endereço: Rodovia PR-317, nº 6.330 – Saída para Campo Mourão

CEP: 87.065-901 – Maringá – Paraná

Fone: (0**44) 3266-1147

Ceasa Cascavel

Dia 24 de dezembro, sexta-feira, mercado aberto das 5 às 12 horas

Dia 25 de dezembro, sábado, mercado fechado

Dia 31 de dezembro, sexta-feira, mercado aberto, das 5 às 12 horas

Dia 1º de janeiro, sábado, mercado fechado

Horários: de segunda-feira a sábado das 6 às 12 horas

Endereço: BR 467 – km 110,6 – Saída para Toledo

CEP: 85.809-630 – Cascavel – Paraná

Fone: (0**45) 3323-6741 – (0**45) 3323-5335

Ceasa Foz do Iguaçu

Dia 24 de dezembro, sexta-feira, mercado aberto

Dia 25 de dezembro, sábado, mercado fechado

Dia 31 de dezembro, sexta-feira, mercado aberto

Dia 1º de janeiro, sábado, mercado fechado

Horários: de segunda-feira a sexta-feira das 5 às 15 horas

Sábados, aberta das 5 às 14 horas

Endereço: Av. Juscelino Kubitschek, nº 1.254

CEP: 85.864-000 – Foz do Iguaçu – Paraná

Fone: (0**45) 3522-1129

Ceasa Paraná Administração

De 24 a 31 de dezembro, recesso

Horário: de segunda-feira a sexta-feira, das 8 às 12 horas, e das 13 às 17 horas

Endereço: Av. Silva Jardim, nº 303, bairro Rebouças

CEP: 80.230-000 – Curitiba – Paraná

Fone: (0**41) 3253-3232 – (0**41) 3352-7456.

Foto: Gilson de Abreu/AEN