Para acelerar retomada do turismo, Ministério inclui Foz no projeto Destino Turístico Inteligente

Anúncio foi feito pelo ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, neste sábado (10), durante visita à cidade, incluída no projeto após análise do potencial turístico. Foz já tem retomado a visitação e deve ser um dos principais destinos brasileiros pós-pandemia.

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, anunciou neste sábado (10), na Itaipu, a inclusão de Foz do Iguaçu (PR) na lista de municípios do projeto “Destino Turístico Inteligente”, que impulsionará destinos ofertantes de produtos e experiências inovadoras e de qualidade. A medida deve impulsionar ainda mais a retomada do turismo da região, no pós-pandemia, com ações como ampliação da conectividade à internet nos atrativos e a capacitação de funcionários do setor com inglês instrumental, para melhor atendimento de estrangeiros.

A confirmação ocorreu durante visita da autoridade à cidade, um dos destinos mais importantes do País, na fronteira mais movimentada do Brasil, com o Paraguai e a Argentina. O turismo é a principal atividade econômica local, ancorado por atrativos como as Cataratas do Iguaçu e a Itaipu Binacional, entre outros. Foz é a 11ª cidade do País anunciada no projeto e a segunda sem o status de capital. No Sul, apenas Florianópolis (SC) e Curitiba (PR) já tinham sido selecionadas.

“Foz é um dos principais destinos turísticos da América Latina e receberá muitas ações do Ministério do Turismo, como a busca de turistas internacionais, graças à ampliação da pista do aeroporto [obra custeada pela Itaipu], o que permitirá a operação de jatos de grande porte”, disse Machado Neto, durante entrevista concedida na usina de Itaipu. “Vamos trazer os ministérios de Ciência e Tecnologia para otimizar a conectividade aqui. Turismo inteligente é colocar tudo na palma da mão, celular e conectividade, porque sabemos que o maior motor de um case turístico é a rede social”, completou.

Outra ação anunciada pelo ministro é a oferta de inglês instrumental para operadores do setor turístico. A ideia é capacitar profissionais da área com um vocabulário de 300 a 400 palavras na língua inglesa, de forma a permitir melhor atendimento aos estrangeiros na rede hoteleira. A iniciativa teve sucesso em Manaus, segundo o ministério, e deve contar com o apoio do governo do Paraná, Prefeitura e Itaipu. “Brevemente a questão sanitária estará superada nos países das Américas e vamos fazer de Foz do Iguaçu um polo internacional de turismo”, concluiu.

Em Foz, a agenda do ministro começou pela usina, onde ele foi recepcionado pelo diretor-geral brasileiro de Itaipu, general João Francisco Ferreira. A usina é a que mais gerou energia no mundo, com 2,8 bilhões de megawatts-hora (MWh) produzidos desde o início de sua operação, em 1984, e importante atrativo turístico regional.

Depois da hidrelétrica, a autoridade e sua comitiva seguiram para o Parque Tecnológico Itaipu (PTI), também dentro da área da usina. À tarde, o grupo seguiu por outros atrativos, incluindo o Parque Nacional do Iguaçu (PNI), o Parque das Aves e o Marco das Três Fronteiras.

Itaipu preparada

“Estamos trabalhando muito para que o turismo seja retomado da melhor forma possível em Foz do Iguaçu”, disse o diretor-geral brasileiro da Itaipu, general João Francisco Ferreira. “Aproveitamos esse período de menor visitação em função da pandemia para melhorar a infraestrutura de atendimento, com uma série de obras que vão trazer ainda mais conforto e praticidade aos nossos visitantes”, explicou o general. Entre elas, estão as reformas dos mirantes Central e do Vertedouro, duas paradas dos visitantes da usina.

Com as melhorias, o diretor-geral projeta que Itaipu deva se aproximar, cada vez mais, dos números do Parque Nacional do Iguaçu, principal atrativo de Foz. “Além disso, em parceria com diversas entidades e a Prefeitura, estamos desenvolvendo uma série de ações que vão ajudar a impulsionar o setor turístico, como a ampliação do Programa Capacita Foz, que beneficiará diversos trabalhadores, e a campanha Vem pra Foz, de divulgação do destino”, completou general Ferreira. “Juntos ajudaremos o turismo de Foz a se reerguer a patamares até mesmo superiores ao período pré-pandemia.”

Segundo o diretor superintendente do PTI, general Eduardo Garrido, o período de baixa visitação também tem sido aproveitado para melhorar a capacitação do pessoal do Complexo Turístico Itaipu (CTI), além das obras nos mirantes feitas em parceria com Itaipu. “Sabemos que, passado esse período da pandemia, o turismo de natureza terá muito mais procura. E não só pelos turistas do Brasil, mas do mundo todo”, afirmou Garrido. “Acreditamos que, por isso, Itaipu e seus atrativos, como o Refúgio Biológico e Visita Panorâmica, terão maior procura.”

Garrido lembrou, ainda, que o Programa Vila A Inteligente, que está transformando a Vila A no primeiro bairro inteligente do País, colabora para que Foz entre no projeto do Ministério do Turismo.

“A Organização Mundial do Turismo, órgão da ONU, acabou de nos incluir no Conselho Executivo, pelo fato de estarmos conduzindo muito bem a questão da vacina. Em breve estará superada a questão sanitária nos países das Américas. E nós vamos fazer de Foz do Iguaçu um polo internacional de turismo”, concluiu Machado Neto.

Vantagens

O pedido de inclusão de Foz na lista de Destinos Turísticos Inteligentes e o convite para a visita foram feitos pelo prefeito Chico Brasileiro e o secretário municipal de Turismo e Projetos Estratégicos, Paulo Angeli, na última terça-feira (6). Na ocasião, eles apresentaram a adoção de ações alinhadas às cidades inteligentes. Entre elas, o projeto Vila A Inteligente, uma parceria entre a Itaipu Binacional, o PTI, o Centro Municipal de Inovação e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

“Essa visita é muito importante. O ministro traz para Foz essa parceria do Ministério para que possamos avançar tanto na parte de tecnologia, no turismo de eventos e quanto na estratégia para retomar o turismo internacional para Foz do Iguaçu”, disse o prefeito Chico Brasileiro. “A articulação da Prefeitura e da Secretaria Estadual de Turismo, com apoio da Itaipu, é muito importante para voltarmos a ser um grande destino de estrangeiros”.

O Destino Turístico Inteligente deve estar amparado em cinco pilares – governança, inovação, tecnologia, sustentabilidade e acessibilidade –, além de ofertar produtos, experiências inovadoras e de qualidade.
Segundo o Ministério do Turismo, as cidades envolvidas nas iniciativas desenvolverão uma metodologia brasileira, a partir de experiências da Espanha e Argentina. Estão previstos diagnósticos da situação de cada destino selecionado para implantação de estratégias que considerem as especificidades regionais.

As outras dez cidades que vão participar do projeto para implantação de Destinos Turísticos Inteligentes no país são: Rio Branco (AC) e Palmas (TO) representando a Região Norte; Recife (PE) e Salvador (BA) que integram o Nordeste; Campo Grande (MS) e Brasília (DF), pertencentes ao Centro-Oeste; Florianópolis (SC) e Curitiba (PR), localizadas na Região Sul; e o Rio de Janeiro (RJ) e Angra dos Reis (RJ), na Região Sudeste.

Itaipu e o turismo

O turismo é um dos pilares da missão da Itaipu Binacional. A usina recebeu mais de 24 milhões de visitantes de todo o mundo. O recorde de visitação ocorreu antes da pandemia, em 2019, quando 1.028.225 turistas passaram pelos atrativos da binacional.

Além de o próprio Complexo Turístico Itaipu (CTI) ser um importante atrativo, a empresa também atua na promoção da atividade turística como forma de estimular o desenvolvimento da região de fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

A Itaipu também lidera diversas ações para o fortalecimento do setor turístico e a preparação da retomada econômica pós-pandemia. O aporte da empresa em infraestrutura regional, na ordem de R$ 2,5 bilhões, em diversas frentes, tem atraído investimentos e gerado emprego, renda e ampliação da arrecadação municipal.
Entre eles, estão a construção da Ponte da Integração, entre Brasil e Paraguai, a ampliação do aeroporto e a duplicação da Rodovia das Cataratas, principal corredor turístico de Foz – entre várias outras obras. Na próxima semana, a empresa também anunciará a nova edição da campanha Vem pra Foz, para a atração de turistas à cidade, e em breve fará a ampliação do Programa Capacita Foz, voltado a trabalhadores do turismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Chico Brasileiro sanciona lei para reposição de 8,35% para o funcionalismo público

O prefeito Chico Brasileiro sancionou, na tarde desta quinta-feira (20), as leis que preveem a reposição salarial de 8,35% para o funcionalismo público e também o abono e a atualização do piso salarial dos professores da rede municipal de ensino. De iniciativa do poder executivo, os textos tramitaram de forma célere na Câmara Municipal e serão publicados em Diário Oficial ainda nesta quinta-feira (20).

A administração municipal pode garantir os direitos e os benefícios aos servidores devido às ações de austeridade, que mantêm as contas de Foz do Iguaçu equilibradas. Por conta disso, o índice de reajuste concedido por Foz do Iguaçu é um dos mais altos do Paraná.

“Por conta das contas equilibradas e com revogação da Lei Complementar Nº 173/2020, que proibia a concessão de benefícios ao funcionalismo público em todo o território nacional, este ano está sendo possível retomar as melhorias no funcionalismo público, conforme tínhamos assumido o compromisso junto aos servidores e servidoras do Município”, afirmou o prefeito Chico Brasileiro.

“Além de beneficiar diretamente o funcionalismo, as medidas também contribuirão para o aquecimento da economia local. Devemos enaltecer a participação dos vereadores e vereadoras, que dentro da harmonia e com independência, atuaram com muita celeridade na condução do processo legislativo”, emendou Brasileiro.

O Abono de Valorização dos Profissionais da Educação estabelece um valor de R$ 1818,30, que será pago aos mais de 2,5 mil servidores na folha de pagamento da competência de janeiro de 2022. O piso salarial dos professores passou a ser de R$ 2 mil para professores que cumprem 20 horas semanais, e R$ 4 mil para aqueles que atuam 40 horas.

“A Câmara Municipal, através dos seus vereadores e vereadoras, vem cumprindo o seu papel constitucional de dar grandes constituições à cidade. As medidas que estão sendo sancionadas hoje contaram com o apoio de todo o poder legislativo, que trabalhou muito para que os processos fossem analisados e votados em tempo recorde”, comentou o presidente da câmara, Ney Patrício.

Compromisso
Desde o início das negociações com os sindicatos, a atual gestão municipal manteve o compromisso de implantar os direitos e melhorias para os servidores públicos de Foz do Iguaçu.

“Quando há disposição, os avanços acontecem e nós sempre estivemos abertos para os diálogos, porque estamos comprometidos com as garantias e direitos dos servidores. A sanção dessas leis hoje demonstra um movimento importante e saudável da democracia, e também revela que, mesmo em meio a crise que enfrentamos mundialmente, a prefeitura conseguiu manter as contas equilibradas e honrar com os compromissos firmados”, reforçou o secretário de Administração, Nilton Bobato.

Pacote de avanços
Além da reposição e dos avanços nas carreiras dos professores e trabalhadores da educação, o Município cumprirá outros compromissos assumidos, que agora são possíveis com a extinção da Lei Complementar Federal Nº173/2020.

São eles: pagamento de referências para mais de 20 cargos – entre eles, dos agentes de apoio, que recebem atualmente os menores salários do município, e a implantação do adicional de insalubridade por ambiente de trabalho. Esse último representa um importante marco histórico na gestão, com a publicação do Decreto N°29.846/2021, que regulamentou o direito aos servidores municipais.

A prefeitura também dará continuidade ao parcelamento feito no ano passado das progressões atrasadas antes do período da vigência da Lei Nº173/2020.

AMN

Itaipu investe R$ 2,7 milhões em melhorias no sistema penitenciário de Foz do Iguaçu

A Itaipu Binacional está investindo R$ 2.667.322,40 em melhorias no complexo penitenciário de Foz do Iguaçu. As obras utilizam parte da mão de obra dos próprios detentos, representando uma fonte de renda além da redução da pena pelos dias de serviço. O trabalho é feito pelas empresas Metrosul e Atlanta sob a coordenação da Divisão de Infraestrutura e Manutenção da Itaipu.

As obras foram iniciadas em outubro de 2021 e a entrega está prevista para abril de 2022. Elas são feitas em quatro unidades penais localizadas no Jardim Três Fronteiras, em Foz do Iguaçu, que, juntas, abrigam cerca de 2.600 apenados. A coordenação é do Departamento Penitenciário (DEPEN), órgão vinculado à Secretaria de Segurança Pública do Paraná, por meio da Coordenação Regional de Foz do Iguaçu.

O trabalho mais complexo é executado na Penitenciária Estadual de Foz do Iguaçu (PEF), onde está sendo construída uma muralha de 400 metros de comprimento e seis metros de altura, além de quatro novas guaritas de controle, com oito metros de altura, todas ligadas à muralha. A unidade penal abriga mais de mil pessoas. No total, cerca de 20 detentos trabalham na obra.

Ao lado da PEF, na Penitenciária Estadual de Foz do Iguaçu II (PEF II), que também abriga cerca de mil detentos, são feitas melhorias no sistema de segurança com a criação de uma nova central de monitoramento – CFTV, com câmeras e aparelhos televisivos, além do reforço no sistema de alarme.

Na Penitenciária Feminina de Foz do Iguaçu – Unidade de Progressão (PFF-UP), as obras incluem a construção de um novo centro administrativo, além de casa de apoio, enfermaria e reservatório de água. A unidade mantém 220 detentas em regime fechado, em cumprimento de pena. Em torno de oito pessoas trabalham nas obras.

Finalmente, na Cadeia Pública Laudemir Neves, que abriga 400 pessoas – quase em sua totalidade presos provisórios aguardando julgamento pelo Poder Judiciário, a melhoria é a construção de um novo reservatório de água. Em torno de seis apenados trabalham nas obras.

Gdia