Médica Virgínia acusada por mortes na UTI do Evangélico irá a júri popular

A Primeira Câmara Criminal, do Tribunal de Justiça do Paraná, aceitou na quinta-feira (27) por maioria dos votos recurso de apelação interposto pelo Ministério Público (MP-PR) e determinou que a médica Virginia Helena Soares de Souza e outras quatro pessoas sejam julgadas, em segunda instância, pelo Tribunal do Júri de Curitiba. Eles são acusados de antecipar a morte de pacientes que estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Evangélico, em Curitiba.

Em nota, os advogados Elias Mattar Assad e Louise Mattar Assad, que defendem a médica, afirmam que irão recorrer da decisão. “A defesa sempre confiou na Justiça e em todas as provas periciais e testemunhais do processo que indicaram inexistência de fato criminoso e irá recorrer em todas as instâncias. A médica é inocente e em toda a sua carreira tomou decisões baseadas em literatura”, diz o comunicado.

Em 2017, a médica Virginia e outras sete pessoas foram inocentadas da acusação feita em 2013, porém o MP-PR recorreu. A médica ainda foi vencedora de uma ação de indenização contra o Evangélico, na qual ganhou R$ 4 milhões.

Até o momento, não há uma data para o julgamento.

Outras denúncias

Em 2019, a Justiça aceitou duas novas denúncias do MP-PR contra a médica por homicídio qualificado. As denúncias são em relação a morte de duas pacientes, que faleceram em 2012 na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Evangélico: uma mulher de 35 anos, que havia feito uma cesariana, e uma adolescente de 16 anos, com queimaduras.

Na época, Virginia era chefe da UTI do hospital. Essas denúncias haviam sido rejeitadas pela 2ª Vara do Tribunal do Júri do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba por falta de provas, mas, após o MP-PR recorrer, elas foram acatadas.

Informações Banda B

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Uenp confirma retorno às aulas presenciais

As aulas presenciais na Uenp serão retomadas regularmente no próximo 7 de fevereiro, seguindo decisão dos conselhos superiores da universidade. A reitoria adiantou que a medida é válida para todos os cursos de graduação e pós-graduação nos três campi: Jacarezinho, Cornélio Procópio e Bandeirantes.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) lembra que é importante a adoção de todas as medidas sanitárias no combate à propagação da pandemia. “Os estudantes de todos os níveis de ensino devem ficar atentos à programação do curso e aos protocolos de biossegurança para evitar a proliferação da variante ômicron, que tem maior poder de transmissão”, alerta.

A reitora Fátima Padoan disse que a Uenp vai desenvolver atividades remotas de orientação pedagógica e sanitária para a comunidade universitária entre os dias 2 e 4 de fevereiro, para que os estudantes se preparem para o retorno presencial.

Em 2021, a Uenp já havia retomado as atividades presenciais dos cursos da área da Saúde, nos campi de Jacarezinho e Bandeirantes. Portanto, para os alunos deste segmento, as aulas presenciais recomeçam regularmente a partir do dia 2 de fevereiro.

Zé Boni pode ser o candidato de Bolsonaro ao senado no Paraná

José Maria Boni, 43 anos, é natural de Loanda (PR). Foi eleito vereador mais jovem do Brasil em Santa Cruz de Monte Castelo, no noroeste do Paraná, aos 18 anos, em 1996. Exerceu quatro mandatos consecutivos na Câmara da cidade. No governo do Paraná, atuou na Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) durante seis anos e na Casa Civil. O último cargo público que ocupou foi na Corregedoria da Assembleia Legislativa.