Lula defende urna eletrônica, diz que impeachment é possível e que ‘Lira não é dono do país’

Ex-presidente afirmou que voto impresso é voltar à “época dos dinossauros” e que já há ambiente suficiente no país para abertura do processo de impeachment de Bolsonaro. Lula também declarou que presidente da Câmara “não é dono do país”.

Após declaração do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de que não há justificativa para abertura do processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), disse que o processo “é possível sim se fizer pressão necessária para colocar o impeachment em votação”, segundo o UOL.

“O processo já poderia ter acontecido porque já teve mais 120 pedidos de impeachment e não foi colocado nenhum em votação. Agora tem um grande pedido, assinado por centenas de entidades, num único processo, vamos ver se o presidente da Câmara coloca em votação. […] É possível sim se fizer pressão necessária para colocar o impeachment em votação”, afirmou Lula durante entrevista para rádio Salvador FM.

O ex-presidente, e possivelmente futuro candidato para presidência da República em 2022, também declarou que Lira “não é o dono do país”.

“O PT, inclusive, entrou na Suprema Corte pedindo para que obrigasse o cara [Lira] a pelo menos colocar em votação. Ele não é dono do país, ele não é dono de todo o poder, ele tem que colocar em votação para que o Congresso possa se manifestar”, completou.

Na mesma entrevista, Lula comentou sobre as gravações de áudio que supostamente comprovariam o envolvimento de Bolsonaro no esquema da rachadinha, caracterizando o ato como “um roubo”.

“A cunhada dele está dizendo que ele pegava a maior parte do salário dos seus funcionários, o que é um roubo. Uma coação a um trabalhador que não é obrigado a dar seu salário a ninguém, a não ser para levar comida a seus filhos […]”, disse Lula.

Sobre os escândalos de corrupção que rondam as compras de vacinas contra a COVID-19 pelo governo federal, Lula proferiu que não há nada mais deprimente do que saber que quando pessoas precisam de vacinas, há pessoas querendo lucrar com a compra.

“As pessoas estão percebendo que a demora da vacina é porque tinha um processo de intromissão indevida de pessoas indevidas para tentar ganhar dinheiro às custas das vacinas. Não pode ter algo mais triste e deprimente com o país precisando de vacinas e ficamos sabendo que pessoas estavam tentando ganhar dinheiro com a vacina” afirmou.

Voto impresso ‘é época dos dinossauros’

Mediante o constante movimento tanto do governo como de parte da população brasileira para volta do voto impresso, Lula diz que esse retorno é o mesmo que “voltar para a época dos dinossauros”.

“Voto impresso é voltar para a época dos dinossauros. Vamos ser francos: se fosse possível roubar com o voto eletrônico, eu teria sido o presidente da República neste país? Teria ganhado duas eleições, a Dilma [Rousseff] teria ganhado duas eleições? Eu acho que não”, declarou o ex-presidente citado pela mídia.

Lula contou que no começo era contra o voto eletrônico, mas que depois que observou a eficácia transparente do processo eletivo através da urna eletrônica, “não é preciso mexer no que está dando certo”.

“Não precisamos mexer no que funciona. Até hoje não tem uma única prova de roubo em voto eletrônico. A hora que tiver a gente muda o voto. Agora tentar mudar a pretexto de criar confusão como quer o atual presidente?”, disse Lula.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Foz do Iguaçu apresenta ações inovadoras na Rio Innovation Week

Iniciativas digitais desenvolvidas na cidade ganharão destaque durante um dos maiores eventos do setor na América Latina

Até o próximo domingo (16), a Secretaria de Turismo e Projetos Estratégicos dará a Foz do Iguaçu um papel de destaque durante a Rio Innovation Week, evento que começou na quinta-feira, 13, e é considerado um dos mais completos encontros de tecnologia e inovação da América Latina.

No espaço “Sociedade 5.0”, a servidora da pasta, Andressa Szekut, ministrou uma palestra sobre a transformação inovadora que Foz do Iguaçu está vivenciando. Entre os principais pontos apresentados, estavam as ações desenvolvidas pelo Município para estabelecer um ambiente favorável à pesquisa, inovação e o empreendedorismo, com foco em atração de investimentos.

Como convidada do Ministério do Turismo, Foz também está participando, na “Turistech Zone”, da Câmara 4.0, um espaço para trocar experiências com os demais destinos que estão no programa de Destino Turísticos Inteligentes do MTUR, além de conhecer iniciativas inovadoras e startups do setor.

“Apresentar as iniciativas que estão sendo desenvolvidas em Foz do Iguaçu em um evento deste porte faz parte da estratégia de tornar Foz do Iguaçu reconhecida como polo de inovação e empreendedorismo, para o fortalecimento e a diversificação da economia da cidade”, afirma o secretário de Turismo, Projetos Estratégicos e Inovação, Paulo Angeli.

A prefeitura participa do evento junto com o Parque Tecnológico de Itaipu – Brasil (PTI-BR), que está como expositor, divulgando as iniciativas e soluções realizadas no Programa Vila A Inteligente, além de prospectar empresas para o Smart Vitrine e parceiros estratégicos para o Hub Iguassu. O PTI irá apresentar também os projetos nas áreas de energia e inovação aberta.

Palestrantes

Entre os mais de 500 palestrantes, estão nomes renomados no cenário da inovação como: Richard Branson, presidente da Virgin; Steve Wozniak, cofundador da Apple; Camila Farani, investidora-anjo do Shark Tank Brasil; Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação; Marcos Gurgel, diretor de Corporate Venture & Open Innovation no iFood, entre outros.

A estrutura oferece 15 palcos em 40 mil m², reunindo mais de mil startups e 190 expositores, com mais de 20 espaços de exposição com diversas temáticas.

Paraná inicia campanha de vacinação infantil contra a Covid-19

Isadora Libânio Despensieri, de 6 anos, foi a primeira criança vacinada contra a Covid-19 no Paraná. O Estado iniciou a imunização infantil contra a doença neste sábado (15), em Londrina, município em que ocorreu o início simbólico da proteção contra o coronavírus para o púbico de 5 a 11 anos.

“Estávamos esperando muito a vacina, pois eu sei que a vacina é uma maneira de proteger a Isadora. As crianças sofreram muito com a pandemia, sem entender o que está acontecendo. Então, nós sabemos da importância da vacinação” disse a mãe, Gisele Libânio.

Ainda na sexta-feira (14), o Estado enviou o lote de 65.500 vacinas para as 22 Regionais de Saúde em menos de cinco horas. O quantitativo descentralizado representa cerca de 5% da população infantil do Estado, estimada em 1.075 milhão.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, esteve em Londrina para acompanhar o início da imunização infantil.

“Mais uma vez, o governador Ratinho Junior cumpriu aquilo que havia prometido. Em poucas horas do recebimento da vacina pelo Ministério da Saúde, já havíamos descentralizado o lote para todo o Estado” destacou. “A campanha seguirá acontecendo nos próximos meses. Temos mais de 1 milhão de crianças em todo o Paraná e esse é um passo importante para a proteção de todas” reforçou.

O secretário municipal de Saúde de Londrina Felippe Machado, elogiou a agilidade na distribuição das vacinas no Estado.

“Temos que ressaltar toda a logística em relação à distribuição de vacinas. Nenhum outro Estado se organizou como o Paraná. Agradeço ao governador Ratinho Junior e ao secretário de Saúde Beto Preto para que pudéssemos iniciar a vacinação das crianças” frisou.

A vacinação seguirá diretrizes semelhantes às dos adultos, sendo iniciada por crianças com comorbidades e deficiência permanente, seguidas de indígenas e quilombolas, as que vivem em lares com pessoas com alto risco para evolução grave de Covid-19 e, então, em ordem decrescente de idade, iniciando pelos 11 anos até chegar aos 5 anos.

Outros municípios do Paraná devem começar a vacinação infantil entre hoje e segunda-feira (17).

Foto: Danilo Avanci/SESA