Itaipu celebra Mês do Meio Ambiente com programação diferenciada

Programação inclui ações voltadas para a comunidade externa e para o público interno da empresa

A celebração do Dia do Meio Ambiente, em 5 de junho, terá uma série de atividades promovidas pela Itaipu Binacional ao longo de todo o mês. A programação, coordenada pela Divisão de Educação Ambiental, da diretoria de Coordenação, inclui ações voltadas para a comunidade externa e para o público interno da empresa.

Benchmarking em meio ambiente, Itaipu é reconhecida internacionalmente no setor e já recebeu o prêmio Water for Life, da Organização das Nações Unidas (ONU), na categoria “Melhores práticas em gestão da água”. Na semana passada, nove embaixadores estrangeiros estiveram em Foz do Iguaçu para conhecer as ações da empresa na área ambiental, em visita organizada pela própria Itaipu, Ministério de Relações Exteriores e Ministério de Minas e Energia.

Rodrigo Cupelli, da Divisão de Educação Ambiental de Itaipu. Foto: Nilton Rolin.

Para o diretor-geral brasileiro, general João Francisco Ferreira, a programação do Mês do Meio Ambiente contribui para propagar as boas ações praticadas por Itaipu e replicadas mundo afora. “Um trabalho de muita responsabilidade e que nos orgulha muito, pois mostra a importância das energias renováveis para o setor elétrico e para o planeta.”

Uma das ações vai envolver jovens dos 55 municípios atendidos pelo Convênio Linha Ecológica (nível médio e universitário). Eles foram convidados a participar do Seminário Virtual “Cuidando de Nossa Biodiversidade”. O evento começa nesta quarta-feira (2) e segue até o dia 8 de junho, com a participação de 350 jovens. As inscrições se encerraram na segunda-feira (31) e todas as vagas foram preenchidas.

Para o público infantil, serão lançados três vídeos: “A História da Semente”, com fotografias do desenvolvimento de uma semente cultivada; “A História da Jacutinga”, um teatro de sombras; e o vídeo a “Cadeia Alimentar”, com foco na onça-pintada. Os vídeos serão publicados nos dias 9, 16 e 24 de junho na página do Youtube do PTI (https://www.youtube.com/user/ptibrasil).

A partir do dia 7 de junho também serão entregues cerca de 100 mil ímãs de geladeira com orientações e cronograma da coleta seletiva para as residências cadastradas pelos municípios nos programas municipais de coleta seletiva.

Público interno

Dentro da Itaipu, a primeira iniciativa alusiva ao tema foi a instalação de novos informes da coleta seletiva em áreas comuns dos escritórios. A ideia é de facilitar o acesso à informação, dirimindo dúvidas. A partir deste mês de junho, as lixeiras receberão nova adesivagem, trazendo por escrito o tipo de resíduo adequado a cada uma delas.

Instalação de novos informes em áreas comuns dos escritórios de Itaipu. Foto: Rodrigo Cupelli/Itaipu Binacional.

Nesta quarta-feira (2), será divulgado um vídeo tutorial sobre a coleta seletiva na Itaipu. O material, produzido pela Divisão de Educação Ambiental e Divisão de Imprensa, será encaminhado por e-mail a todos os colaboradores (com link) e publicado nos canais internos de comunicação.

A partir do dia 7 de junho, os empregados, estagiários e jovens aprendizes começarão a receber, via malote, uma cartilha ilustrada sobre a técnica da compostagem doméstica.

A Educação Ambiental também vai enviar um e-mail sobre o tema, com links do Youtube, sobre técnicas de compostagem doméstica. “A ideia é incentivar os colegas a adotarem essa prática da compostagem em casa, que traz inúmeros benefícios e pode ser uma forma de envolver as crianças no cuidado com a natureza”, explica Rodrigo Cupelli, da Divisão de Educação Ambiental.

Pesquisa e melhoria contínua

As ações para a melhoria contínua da coleta seletiva na Itaipu estão em consonância com as sugestões feitas pelos próprios colaboradores, em pesquisa feita pela Divisão de Educação Ambiental no último mês de abril. Foram 307 respondentes no total.

“A coleta seletiva na Itaipu é uma força-tarefa de diversas áreas da empresa e consideramos o resultado da pesquisa satisfatório para nos dar subsídios na adoção de melhorias e reforçar o que já funciona”, disse Cupelli.

Outra ferramenta para auxiliar a sustentabilidade do setor é o Reciclômetro, um painel interativo, criado pela Diretoria de Coordenação e a Superintendência de Informática da Itaipu, com apoio do Parque Tecnológico Itaipu, que informa dados sobre a gestão de resíduos sólidos. O Reciclômetro traz informações sobre a coleta seletiva nos 55 municípios do Oeste do Paraná e pode ser acessado pela intranet.

Estímulo à coleta seletiva

A Itaipu destinou, em 10 anos, aproximadamente 1.000 toneladas de recicláveis (sem contabilizar lenhas) para a Cooperativa dos Agentes Ambientais de Foz do Iguaçu (Coaafi). A renda obtida com a venda do material ajuda a manutenção da sede administrativa da cooperativa, que hoje emprega 85 catadores em sete Unidades de Valorização de Recicláveis (UVRs).

Em toda a sua área de abrangência, a Itaipu tem realizado convênios com as prefeituras e entidades formadas por catadores para a melhoria e o fortalecimento da coleta seletiva.

A Divisão de Ação Ambiental atua diretamente nesta frente, oferecendo, inclusive, ações visando ao desenvolvimento profissional e social da classe dos catadores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Startup incubada no PTI-BR recebe aporte de R$ 450 mil

A startup WestCob, incubada pelo Parque Tecnológico Itaipu – Brasil (PTI-BR), acaba de receber um investimento de R$ 450 mil, realizado através do programa da Stars Aceleradora.

A WestCob desenvolveu um sistema que melhora e automatiza os processos de cobrança, economizando tempo e aumentando a efetividade na recuperação de créditos para as empresas.

De acordo com o CEO da startup, Lucas Brunetto Cari, os clientes da WestCob conseguem recuperar até 70% de pagamentos vencidos, todos os meses, economizando também em tempo, contratações de pessoas, além de eliminar processos manuais.

Incubadora Santos Dumont

Para atingir esse estágio de maturidade, Lucas conta que foi fundamental o apoio do Parque Tecnológico. “As mentorias, as trilhas de aprendizagem, as consultorias, realizadas através da Incubadora Santos Dumont, foram muito importantes para a consolidação do negócio”, disse.

Segundo o CEO da WestCob, outro benefício de fazer parte do ecossistema do Parque Tecnológico é a ampliação do networking. “A partir da incubadora, uma série de oportunidades, contatos e possibilidades se abriram para nós. A própria participação nesse programa da Stars Aceleradora foi possível graças a uma dica dada por um analista do PTI-BR”, explicou Lucas.

Compromisso Social

Para o diretor superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido, a ação está em linha com a missão do Parque Tecnológico que é fomentar o desenvolvimento da ciência, tecnologia, inovação e negócios, resultando em riqueza e bem-estar à sociedade. Para isso, é muito importante o trabalho de incubação das empresas.

“Nós queremos, cada vez mais, estimular e incentivar as startups para desenvolver ciência, tecnologia e inovação em nosso ecossistema. O resultado desse trabalho vai beneficiar a economia de Foz do Iguaçu e da região, com a atração de novos investimentos, geração de mais empregos e renda para a população”, explicou Garrido.

Itaipu inicia terceira e última fase na construção de ciclovia

A Itaipu deu início à terceira e última fase das obras para a implantação de uma ciclovia na Avenida Tancredo Neves, entre o viaduto da BR-277 e a barreira de controle da usina, em Foz do Iguaçu (PR). A fase final é a mais extensa e compreende o trecho entre a BR e a ponte do Rio Almada, num total de 3,2 km de extensão.

Para a construção desse trecho, será necessária a retirada de 40 árvores nativas. De acordo com o arquiteto e urbanista Henrique Gazzola de Lima, da Divisão de Planejamento de Infraestrutura da Itaipu, a empresa irá promover uma compensação quase 10 vezes superior ao corte realizado. “Serão plantadas 370 mudas de árvores nativas, sendo a maior parte no próprio trecho da ciclovia, conforme o licenciamento ambiental da obra”, afirmou.

As obras desta terceira fase da ciclovia, que deverão ser finalizadas em 2023, compreendem a implantação da via em piso asfáltico para a circulação das bicicletas, calçada e iluminação, com postes de cerca de 4,5 metros de altura, além de uma nova rede de drenagem. Também será instalada uma travessia elevada para pedestres próximo à entrada da Vila B, facilitando o acesso a pontos de ônibus ali localizados, e conexões entre a ciclovia em construção e as ciclofaixas já instaladas nas avenidas Silvio Américo Sasdelli e Araucária.

No total, a Itaipu está investindo mais de R$ 18 milhões no projeto. A primeira fase, de 1,6 km de extensão, entre a barreira de controle da usina e o cruzamento com a Avenida Tarquínio Joslin dos Santos, recebeu R$ 3 milhões de investimento e foi executada pela construtora Metrosul, entre março de 2018 e agosto de 2019.

A segunda fase, de 2 km de extensão até a ponte do Rio Almada, recebeu R$ 6 milhões e foi executada pela Pisossul Engenharia e Construção, entre junho de 2019 e maio de 2021. Os 3,2 km da fase final custarão 9,1 milhões. A execução, iniciada no último mês de novembro, está a cargo da Sinalpar com prazo estimado em 18 meses. Ao final, as três fases somarão 6,8 km de ciclovias. Foto: Rubens Fraulini/ Itaipu Binacional

Assessoria