Intubação sem sedativo é procedimento ‘nazista’, diz médico sobre falta de medicamentos no Brasil

Na atual fase da pandemia da COVID-19, o Brasil enfrenta dificuldades para suprir a crescente demanda por medicamentos necessários para a intubação de pacientes. A Sputnik Brasil ouviu o médico Sylvio Provenzano sobre as razões dessa escassez, que pode levar a situações de “tortura” nos hospitais.

Na terça-feira (13), a Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo (FEHOSP) lançou um alerta sobre o desabastecimento de medicamentos usados para intubação de pacientes. Segundo o documento, os hospitais teriam de três a cinco dias de estoque. Apelos semelhantes foram feitos por governadores e prefeitos de capitais à comunidade internacional, apontando falta de ação do governo federal.

A situação de escassez vem sendo relatada nas últimas semanas em meio ao pico da pandemia da COVID-19 no Brasil, que já matou quase 370 mil brasileiros. Apenas em março deste ano, foram quase 67 mil óbitos. Em abril, cerca de 44 mil pessoas morreram em 15 dias, conforme dados da Universidade Johns Hopkins.

Na quarta-feira (15), chegou ao Brasil um lote de 2,3 milhões, de um total de 3,4 milhões, dos medicamentos necessários para a intubação. Fabricados na China, os sedativos, neurobloqueadores e analgésicos opioides foram doados ao Sistema Único de Saúde (SUS) por um grupo de empresas brasileiras. Além disso, uma outra doação dos mesmos medicamentos foi feita pelo governo espanhol e deve chegar ao Brasil ao longo da próxima semana, conforme comunicado do Itamaraty.

Hospital de campanha Pedro Dell’Antonia, em Santo André, no Brasil, lotado de pacientes com COVID-19 (7 de abril de 2021)

O médico Sylvio Provenzano, ex-presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (CREMERJ) e chefe do setor de Clínica Médica do Hospital dos Servidores do Estado no Rio de Janeiro, explica que o chamado kit intubação pode ser dividido em duas partes: materiais e medicamentos.

“O que está faltando, e é o que a gente teve evidentemente notícias, seja pela mídia, seja pelos próprios hospitais quando o CREMERJ foi lá fiscalizar, são alguns medicamentos, em especial bloqueadores neuromusculares como rocurônio, que é uma substância que seda o indivíduo permitindo que a intubação seja feita com mais facilidade”, explica o médico em entrevista à Sputnik Brasil.

O procedimento da intubação, delicado e doloroso, liga o paciente a um respirador e exige técnica e habilidade do médico, que tem um tempo relativamente curto para realizar a intubação.

A falta de medicamentos como os citados por Provenzano tem gerado sofrimento nos processos de intubação no Brasil, com casos em que pacientes são amarrados para suportar a dor. O médico aponta que o procedimento de intubação sem esses medicamentos é caso de “tortura”.

“As substâncias são necessárias para permitir uma facilidade maior ao processo de intubação, que nada mais é do que a introdução de um tubo através do nariz ou da boca e que vai chegar pela traqueia até os pulmões. Evidentemente esse procedimento realizado com o indivíduo acordado é nazista, é uma tortura a sangue-frio, isso não é feito”, afirma Provenzano.

O ex-presidente do CREMERJ explica que os hospitais têm cálculos de consumo prévio para os medicamentos necessários para a intubação, mas essa previsão foi ultrapassada pela alta demanda gerada pela pandemia da COVID-19. Desde o final de 2020, o número de casos e mortes causadas pela doença não para de crescer, o que levou o sistema hospitalar no Brasil ao colapso devido ao número inédito de pessoas precisando de atendimento.

“As compras para o almoxarifado geral do hospital se baseiam nesse consumo, só que devido à COVID-19 os procedimentos de intubação orotraqueal aumentaram em demasia, o que levou evidentemente a um consumo maior dos medicamentos e que não foi substituído, não houve uma reposição por parte dos fornecedores”, conta.


©
Folhapress / Rubens Cavallari

Em Araraquara, interior de São Paulo, um paciente com COVID-19 é atendido em uma UTI no Hospital da Santa Casa de Misericórdia, em 11 de março de 2021

O médico explica que diante da escassez, medicamentos similares foram utilizados, mas mesmo essas alternativas começaram a faltar nos hospitais.

“Isso alertou os médicos, o que chamou a atenção, inclusive, do próprio conselho regional de medicina, que estabeleceu contato com as autoridades a nível federal, estadual e municipal”, aponta Provenzano.

Para o ex-presidente do CREMERJ houve, ao mesmo tempo, uma falta de capacidade da indústria para atender o crescimento da demanda e a disparada dos preços dos medicamentos necessários para a intubação que, segundo ele, chegaram a ficar dez vezes mais caros. Apesar disso, Provenzano aponta que as doações recebidas devem garantir o atendimento e ganhar tempo para reposição dos medicamentos.

“A entrega desses kits pela China e pela Espanha deve normalizar a situação. Isso vai dar um tempo para a indústria nacional se preparar para poder aumentar sua produção. É isso que a gente aguarda e com isso não deve haver dificuldade na assistência às pessoas”, conclui.

As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

com informações da Agência Sputink

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gabriel Boric é eleito presidente do Chile

Gabriel Boric é eleito presidente do Chile — Foto: AP Photo/Andres Poblete

O candidato de esquerda Gabriel Boric foi eleito presidente do Chile neste domingo (19). Aos 35 anos, será a pessoa mais jovem da história a ocupar o cargo. Ele já foi deputado e líder estudantil.

Numa eleição marcada pela polarização política, Boric venceu o advogado José Antonio Kast, de ultradireita. Kast informou em rede social que telefonou para o rival reconhecendo a derrota e parabenizando-o pela vitória.

Até as 20h10 deste domingo, com 99,85% das urnas apuradas, Boric tinha 55,9% dos votos, contra 44,1% de Kast.

Boric havia ficado em segundo lugar no primeiro turno, com 25,82%. Já Kast teve 27,91%. É a primeira vez desde a redemocratização, três décadas atrás, que um candidato que não venceu o primeiro turno chega à presidência. A posse ocorre em março.

Governo reduzirá de 5 para 4 meses o intervalo da dose de reforço contra a Covid-19

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, informou na tarde deste sábado, 18, via redes sociais, que o governo vai reduzir de cinco para quatro meses o intervalo para aplicação da dose de reforço das vacinas contra covid-19. De acordo com o chefe da Saúde, um dos principais motivos seria ampliar a proteção contra a variante Ômicron.

“A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir hospitalizações e óbitos, em especial em grupos de risco”, publicou o ministro no Twitter.

Segundo Queiroga, a portaria com a modificação será publicada nesta segunda-feira (20). “Informem-se sobre o calendário vacinal de seu município e veja se já chegou a sua vez”, pontuou o ministro.

A variante Ômicron, que tem preocupado as autoridades de Saúde, já foi identificada em 89 países, segundo resumo técnico da Organização Mundial da Saúde (OMS) publicado na sexta-feira (17) com dados até o dia anterior.

Imagem: reprodução