“Espero que não passe de fake news”, diz João Arruda sobre fim do Simples alentado pela equipe de Jair Bolsonaro

O deputado João Arruda (MDB) disse nesta terça-feira, 18, que espera que “não passe de um fake news de mau gosto” a proposta da equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) que sinaliza pelo fim do Novo Simples Nacional – o regime de arrecadação de tributos de micro e pequenas empresas. “Nos dias de hoje, tudo que parece loucura muitas vezes é verdade”, completou João Arruda, que foi relator da matéria na Câmara dos Deputados.

A proposta do time de Bolsonaro é baseado no diagnóstico do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) que aponta para a revisão de incentivos dos regimes de lucro presumido e do Simples, diminuí-los e, eventualmente, eliminá-los, segundo a economista Melina Rocha Lukic, uma das autoras do estudo. “Não tem cabimento, uma proposta dessas. O Novo Simples Nacional é voltado aos micro e pequenos empresários que são a força motriz da nossa economia”, disse João.

“O Simples hoje, auxilia na arrecadação do país, faz justiça tributária com uma tabela progressiva, que incentiva o crescimento sem medo de pequenas empresas, gera empregos e renda e inibe a sonegação pela melhor das vias: aquela que beneficia o cidadão”, adianta o deputado.

Empreendedor – João Arruda lembrou que o novo regime tributário deu condições para que o jovem empreendedor do campo pudesse se enquadrar também como microempreendedor individual. “Temos que retomar o programa de trocar impostos por empregos e reduzir ainda mais os impostos para as micro e pequenas empresas”.

A lei relatada pelo deputado permite que empresas de serviço e comércio permaneçam no atual regime com faturamento de até R$ 7,2 milhões por ano e as indústrias com faturamento anual de até R$ 14,4 milhões. Aumenta ainda em 250% no limite de enquadramento da microempresa, passando dos atuais R$ 360 mil para R$ 900 mil a receita bruta anual.

Já para as empresas de pequeno porte permite a participação no Supersimples se tiverem renda anual entre R$ 900 mil e R$ 14,4 milhões e eleva o teto da receita bruta para o microempreendedor individual se enquadrar de R$ 60 mil por ano para R$ 72 mil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Retorno às aulas é uma decisão dos professores, diz João Arruda

Nesta quinta-feira (16), o candidato a prefeito João Arruda (MDB) junto de sua vice, a Professora Sheila Toledo (MDB), assinaram a “Carta para os Professores” e apresentaram algumas das propostas para a educação municipal de Curitiba.

“Ano que vem teremos o maior desafio: a retomada das aulas na fase final da pandemia. Para isso, não temos nenhuma dúvida que será ao lado dos professores que construiremos a saída para essa nova realidade, mas também para os velhos problemas enfrentados pelos profissionais da educação”, afirmou João Arruda.

Além da retomada das aulas, os candidatos defenderem aumentar o orçamento mínimo para educação para 30% (atualmente é 26%), a implementação imediata do Plano de Carreira, reajuste anual, hora-atividade, e pagamento das gratificações acumuladas, além da realização de um concurso público para preencher todas as vagas que não foram preenchidas pela última gestão.

“Os professores merecem respeito e valorização, uma cidade que investe na educação é uma cidade pensa o seu futuro. Chega de governantes que recebem os professores com pancadaria, bombas e balas de borracha, cenas que lamentavelmente se repetem em Curitiba”, disse

Confira o vídeo na íntegra e as propostas apresentadas

  • Retomar o Plano de Carreira do Profissional do Magistério de Curitiba, garantido a valorização por tempo de serviço e titulação;
  • Garantir o pagamento e reajuste anual tendo como parâmetro o Piso Salarial Nacional do Magistério,aplicado sobre toda a tabela de vencimentos, não apenas na base de carreira.
  • Assegurar o cumprimento da hora atividade (permanência), em no mínimo 1/3 da jornada de trabalho.
  • Realizar concurso público para preencher todas as vagas existentes para professoras(es) e funcionárias(os) de escola, além da manutenção do Regime Integral de Trabalho (RITs) para as vagas temporárias do magistério;
  • Defender as licenças prêmios e os quinquênios, hoje cancelados pela atual gestão, o que reflete a desvalorização e a indiferença ao trabalho realizado pelos servidores públicos;
     
  • Fortalecer o processo de formação inicial e continuada, por meio de programas articulados com as universidades públicas e institutos de educação superior;
  • Assegurar número suficiente de profissionais da Educação, para garantir estrutura adequada e qualidade do serviço nas escolas;
  • Garantir a eleição direta para escolha de diretora(o), com a participação da comunidade escolar, de forma colegiada e representativa, mediante voto secreto, com garantia do mandato, em todas as unidades escolares;
  • Reestruturação e melhoria do Instituto Curitiba de Saúde (ICS) e a redução gradativa do número de estudantes por turma.

Tatuquara clama por mais segurança e educação

O candidato a prefeito João Arruda (MDB) conversou neste domingo (11) com moradores do Tatuquara, na zona sul de Curitiba, e propõe mais investimentos nas áreas de segurança e educação na região. “É preciso retomar a participação comunitária e o protagonismo das associações de moradores para definirem sobre as políticas públicas para o bairro. Segurança se faz com mais guardas municipais, integrados com a PM, no dia-a-dia da comunidade”, disse.

João Arruda esteve acompanhado dos candidatos a vereador do MDB, Pastor Walmir, João de Croque, Professor Antônio do Colegião, e participou de uma carreata na região organizada por apoiadores. “Esse é o diferencial da nossa campanha, o diálogo direto com os curitibanos, visitas, lives ou nas redes sociais, o prefeito precisa ouvir as pessoas”, afirmou.

O candidato Pastor Walmir destacou o papel social que a igreja cumpre na região, justamente pela falta de apoio do poder público. “Chega a doer o coração da gente, quando chega uma pessoa que precisa, a gente ajuda aquela pessoa, mas a hora que a gente vê chega uma pessoa que necessita mais ainda”, disse.

Na área de segurança, o Pastor Walmir apontou o uso da tecnologia como as câmeras de monitoramento e a relação direta da GM com a comunidade local. “Isso é puxando a segurança pública para o lado da sociedade,  porque o que acontece hoje é que a sociedade tem medo da segurança pública” apontou.

João de Croque, aposentado, aponta para a necessidade de políticas públicas para afastar a juventude da criminalidade. “A gente precisa atender as necessidades que o povo está precisando. Trabalhar em cima do jovem, tirá-lo das ruas, apoio para os jovens talentos, melhorar a cultura, e para aqueles que gostam de um futebolzinho ter um campinho para eles,”, disse

Asfalto – Também apontou para falhas na estrutura urbana da região. “Precisamos de asfalto, meio ambiente. Não dá para deixar as linhas de ônibus sem asfalto, o ônibus Rio Bonito/CIC, por exemplo, está sem asfalto. Os motoristas e cobradores estavam reclamando para mim que não aguentam mais de tanto pó”, disse o candidato a vereador.

Também participou o Professor Antônio, que trabalha na rede pública estadual há mais de 24 anos, sendo nove como diretor do Colégio Guilherme Maranhão. “A gente conhece bem a realidade da região e o tanto que poder público deixa a desejar na prestação de serviços para a comunidade”, disse. 

Na área de educação, o Professor Antônio defendeu o resgate de um plano de carreira, considerada a principal reivindicação dos professores municipais, e as vagas para creches, principalmente para as crianças até quatro anos. “O João Arruda, nosso candidato, a gente acompanha a sua trajetória, ele não vê a educação como um lugar de gastar dinheiro, ele vê como um lugar de fazer investimento no ser humano”, completou.