Desemprego cai no 3º trimestre no Paraná

O desemprego caiu no Paraná no terceiro trimestre de 2021 (julho a setembro), chegando a 8%, um ponto percentual a menos do que no segundo trimestre (abril a junho). É o quinto menor indicador do País, que tem média de 12,6%. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta terça-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo o quadro geral, na comparação com o mesmo período do ano anterior, fortemente impactado pela primeira onda da pandemia, também há diferença favorável ao Paraná, com queda de 2,5 pontos percentuais (de 10,5% para 8%) no número de desempregados, evolução que acompanha a medição feita mensalmente pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Na série histórica, é a quarta queda consecutiva na taxa, que teve pico de 10,5% no meio da pandemia. O índice de 8% é o mesmo do primeiro trimestre de 2020, indicando que o Estado conseguiu se recuperar dos efeitos do coronavírus sobre o mercado de trabalho. Os outros estados com bons indicadores são Santa Catarina, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rondônia.

No recorte que compara o nível de ocupação (percentual de pessoas em idade de trabalhar que estão no mercado de trabalho), a média geral do Paraná era de 59,9% no terceiro trimestre, crescimento de 2,2 pontos percentuais frente ao trimestre anterior e de 3,9 pontos percentuais em relação ao mesmo período de 2020. A média nacional é de 54,1%, crescimento de 2 p.p em relação ao trimestre anterior e 5,1 p.p frente ao ano passado.

“Dentro do contexto nacional há uma reação favorável do mercado de trabalho. É um indicador que tem a ver com a recuperação de emprego formal e está associada ao avanço da vacinação contra a Covid-19, com o setor de serviços voltando a respirar. A taxa de subutilização (insuficiência de horas trabalhadas) caiu no Paraná em relação ao ano passado, mais de 2 pontos percentuais. O volume de trabalho tem aumentado de maneira progressiva com aumento das atividades”, afirma Daniel Nojima, diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social.

No último trimestre, o Paraná também teve o quarto maior percentual de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado do País, com 80,9%. A liderança é compartilhada com Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo. As menores taxas são do Maranhão, Pará, Sergipe e Piauí. Houve crescimento significativo em setores representativos do PIB estadual: agropecuária, indústria, construção civil e comércio.

NACIONAL – Frente ao trimestre anterior, a taxa de desocupação recuou em 20 das 27 unidades federativas. As maiores estavam em Pernambuco (19,3%), Bahia (18,7%), Amapá (17,5%), Alagoas (17,1%) e Sergipe (17%) e as menores, em Santa Catarina (5,3%), Mato Grosso (6,6%), Mato Grosso do Sul (7,6%), Rondônia (7,8%) e Paraná (8%).

A taxa de informalidade no 3° trimestre de 2021 foi de 40,6% da população ocupada. Pará, Amazonas, Maranhão e Piauí tiveram as maiores taxas, e Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Distrito Federal e Rio Grande do Sul as menores.

“No terceiro trimestre, houve um processo significativo de crescimento da ocupação, permitindo, inclusive, a redução da população desocupada, que busca trabalho, como também da própria população que estava fora da força de trabalho”, destaca a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy. O número de ocupados alcança 93 milhões de brasileiros.

Trabalho

PESQUISA – A PNAD Contínua é o principal instrumento para monitoramento da força de trabalho no País. A amostra da pesquisa por trimestre no Brasil corresponde a 211 mil domicílios pesquisados. Cerca de 2 mil entrevistadores trabalham na pesquisa, em 26 estados e Distrito Federal, integrados à rede de coleta de mais de 500 agências do IBGE.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Matinhos passa a exigir comprovante de vacinação para entrada em espaços públicos e privados de uso coletivo

A Prefeitura de Matinhos, no litoral do Paraná, publicou um novo decreto nesta quinta-feira (13) que obriga a apresentação de comprovante de vacinação contra a Covid-19 para entrada em espaços públicos e privados de uso coletivo na cidade.

Conforme o decreto, os locais que devem seguir a nova regra são os seguintes:

  • academias de ginástica, piscinas, centros de treinamento e de condicionamento físico, e clubes sociais;
  • ginásios esportivos;
  • salões de jogos, circos, recreação infantil, centros de esporte e lazer;
  • boates, casas de espetáculos, festas e eventos em geral ou que dependam de autorização transitória;
  • locais de visitação turísticas, galerias e exposições, parques de diversões, parques temáticos, apresentações e drive-in;
  • conferências, convenções e feiras comerciais;
  • estabelecimentos de hospedagem e acomodação de qualquer espécie, as locações de imóveis por temporada e os serviços contratados por aplicativo, inclusive os de transporte;
  • bares, lanchonetes, restaurantes, refeitórios e serviços de alimentação, para a acomodação de clientes sentados nas áreas internas ou protegidas por cobertura de qualquer natureza;
  • serviços de embelezamento, estética e congêneres;
  • centros comerciais e lojas de rua, de quaisquer espécies;
  • serviços de transporte de passageiros por taxímetro ou aplicativo.

Entre as justificativas apresentadas pelo município para a mudança nas medidas restritivas, está a média de 1 mil atendimentos por dia nos pronto atendimentos da Secretaria Municipal de Saúde de Matinhos, entre os dias 23 de dezembro de 2021 e 10 de janeiro de 2022.

De acordo com o decreto, para a pessoa comprovar que está imunizada contra a Covid serão considerados válidos os seguintes documentos:

  • certificado de vacinas digital, disponível na plataforma do Sistema Único de Saúde – Conecte SUS;
  • comprovante/caderneta/cartão de vacinação em impresso em papel timbrado, emitido no momento da vacinação pela Secretaria Municipal da Saúde, institutos de pesquisa clínica, ou outras instituições governamentais nacionais ou estrangeiras.

O descumprimento das medidas previstas vai acarretar na aplicação de multa, da seguinte forma:

  • R$ 1 mil para pessoas físicas, em flagrante de descumprimento do decreto;
  • R$ 5 mil para pessoas jurídicas, em flagrante de descumprimento do decreto;
  • R$ 10 mil para pessoas jurídicas, em caso de reincidente flagrante de descumprimento do decreto.

Foto: reprodução

Onça-pintada é flagrada passeando por rodovia do Parque Nacional do Iguaçu

Onça-pintada foi flagrada em rodovia do Parque Nacional do Iguaçu — Foto: Reprodução

Uma onça-pintada foi flagrada na manhã de quarta-feira (12) passeando por uma rodovia no Parque Nacional do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. O local é utilizado por funcionários do Parque e por turistas para acessar as Cataratas do Iguaçu.

O autor das imagens é o brigadista de incêndio do parque, Everson Souza da Silva Faleia. Ele explicou que passa pelo local diariamente orientando os motoristas que utilizam a via, para conscientizar sobre a proteção da fauna no local.

“Estava fazendo monitoramento da rodoviária, no projeto do setor de pesquisa, para evitar animais atropelados na rodovia. Conscientizamos os motoristas que no parque nacional precisamos proteger nossa fauna reduzindo a velocidade e dobrando a atenção.”

Especialistas do Projeto Onças do Iguaçu acreditam que essa seja a onça Indira, que nasceu no parque em 2018 e desde então vem sendo monitorada pelo projeto.

Para ver o vídeo e continuar lendo a matéria acesse G1 Globo.