Cúpula do Clima: Bolsonaro promete eliminar desmatamento ilegal no Brasil até 2030

O presidente Jair Bolsonaro prometeu eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030 em seu discurso na Cúpula do Clima nesta quinta-feira (22).

O presidente brasileiro prometeu também reduzir em “quase 50%” as emissões de gases estufa até esta data.

“Há que se reconhecer que será uma tarefa complexa”, afirmou Jair Bolsonaro.

Bolsonaro falou em valorizar a biodiversidade brasileira e conclamou a contribuição da comunidade internacional para que o Brasil atinja seus objetivos, pedindo recursos de empresas, entidades e outros países para “a solução destes problemas”.

“Produzimos uma revolução verde a partir da ciência e da inovação”, disse o presidente brasileiro.

Bolsonaro falou depois de nomes como os do presidente russo Vladimir Putin, do presidente francês Emmanuel Macron, do primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, do primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, e do presidente norte-americano, Joe Biden, organizador do evento.

O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, esteve ao lado de Bolsonaro durante o discurso.

A Cúpula do Clima, que conta com representantes de 40 países, começou nesta quinta-feira (22) e será encerrada nesta sexta-feira (23). A intenção de Biden é formar um consenso e instigar os países a traçarem metas mais ambiciosas para discussão na 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática de 2021, que acontece em novembro, no Reino Unido.

Os líderes mundiais pretendem limitar o aquecimento global a 1,5ºC acima dos níveis pré-industriais, um limite que os cientistas estimam que pode prevenir os piores impactos das mudanças climáticas.

com informações da Agência Sputink

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

É isso Arnaldo?

O ministro Joaquim Leite (Meio Ambiente) afirmou que a concessionária que vencer a licitação do Parque Nacional do Iguaçu terá que reduzir os preços dos ingressos aos lindeiros, brasileiros e moradores do Mercosul, formalizar a entrada de operadores de turismo, destinar recursos para divulgação do destino e do parque, construir o centro de memória de Santos Dumont e reformar do batalhão da polícia ambiental.

As obrigações incluídas preveem apoio às ações de educação, comunicação e interpretação ambiental, a projetos de integração com o entorno, plano e pesquisas, ações de manejo de espécies, de monitoramento, programa de voluntariado, capacitação técnica e de gestão e ações de divulgação institucional do parque.

Pastor antivacina morre após ser hospitalizado por Covid-19

O pastor americano Marcus Lamb, conhecido por suas pregações contra as vacinas da Covid19, morreu depois de ser hospitalizado com Covid-19, anunciou sua família ontem, segundo informações da CNN. Marcus costumava se manifestar contra as vacinas em seu programa televiso. Em um episódio no início deste ano com os ativistas antivacinas Robert F. Kennedy Jr. e Del Bigtree, Lamb disse que a vacina Covid-19 “não era realmente uma vacina”, mas uma “injeção experimental” que era “perigosa. Marcus Lamb alegou que pessoas estavam morrendo ou tendo distúrbios neurológicos por causa da vacina.

Sua esposa, Joni Lamb, anunciou a morte. Segundo ela, seu marido tinha diabetes, mas era saudável e foi hospitalizado após ser diagnosticado com Covid-19. “Ele nunca falava sobre isso, mas tinha diabetes, mas controlava. Ele era muito saudável, comia saudável, mantinha o peso baixo e sempre mantinha o açúcar em bom nível. Mas tentando tratar Covid e a pneumonia, os diferentes protocolos usados, incluindo muitos dos protocolos de que falamos aqui no Daystar, e usamos esses, e eu os usei e passei por Covid.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA afirmam que as vacinas da Covid-19 “são seguras e eficazes” e que quaisquer eventos adversos após a vacinação “são raros, mas podem ocorrer”. Pessoas que não foram vacinadas contra Covid-19 tinham 11 vezes mais chances de morrer da doença e 10 vezes mais chances de serem hospitalizadas com a doença, de acordo com um estudo publicado pelo CDC.