CPI da Pandemia redefine último dia de depoimentos na semana que vem

Integrantes da cúpula da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia do Senado mudaram, mais uma vez, a estratégia para os últimos depoimentos a serem tomados antes do término dos trabalhos do colegiado. Em uma sessão remota na manhã desta sexta-feira (15) foram aprovados os requerimentos de convocação do integrante do Conselho Nacional de Saúde (CNS) Nelson Mussolini, além de convites a pessoas que perderam entes queridos para a pandemia.

Mesmo com a troca na escolha de depoentes, a apresentação do voto do relator Renan Calheiros (MDB-AL) está mantida para terça-feira (19) e a votação do parecer, para o dia 20 de outubro.

A ideia é que já na segunda-feira (18) pela manhã Mussolini esclareça se houve algum tipo de pressão ou interferência do governo na decisão tomada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do Sistema Único de Saúde (Conitec), na semana passada, de adiar a análise de um estudo que poderia condenar o tratamento precoce em pacientes diagnosticados com covid-19.

Na semana passada, como último depoimento técnico, a CPI chegou a anunciar que ouviria o pneumologista Carlos Carvalho, mas a ideia acabou descartada. Segundo o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o relatório de Carvalho ainda não está público para que seja entregue aos senadores, o que justifica a convocação de integrantes da Conitec para abordar a reunião em que o estudo seria analisado.

Ainda na reunião de hoje, mais três pessoas também tiveram requerimentos de convocação aprovados, mas não devem ser chamadas para falar aos senadores. Na lista estão os representantes da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Carlos Eduardo Menezes de Rezende; do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Elton da Silva Chaves; e do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), Luiz Cláudio Lemos Correa, todos membros da Conitec.

Segundo Randolfe Rodrigues (Rede-AP), para encerrar de vez a fase de oitivas no colegiado, parentes de vítimas da pandemia serão ouvidas também na próxima segunda-feira, a partir das 16h. O vice-presidente da CPI avaliou ainda que “a presença delas é uma forma de se dar voz a milhares de outras famílias brasileiras que foram dilaceradas pela covid-19″. Os convidados representam as cinco regiões do país. Além destes convidados, devem comparecer ao Senado na próxima segunda-feira um representante da organização não governamental (ONG) Rio de Paz e o taxista Marcio Antônio do Nascimento Silva, que perdeu o filho para a covid-19.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Uenp confirma retorno às aulas presenciais

As aulas presenciais na Uenp serão retomadas regularmente no próximo 7 de fevereiro, seguindo decisão dos conselhos superiores da universidade. A reitoria adiantou que a medida é válida para todos os cursos de graduação e pós-graduação nos três campi: Jacarezinho, Cornélio Procópio e Bandeirantes.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) lembra que é importante a adoção de todas as medidas sanitárias no combate à propagação da pandemia. “Os estudantes de todos os níveis de ensino devem ficar atentos à programação do curso e aos protocolos de biossegurança para evitar a proliferação da variante ômicron, que tem maior poder de transmissão”, alerta.

A reitora Fátima Padoan disse que a Uenp vai desenvolver atividades remotas de orientação pedagógica e sanitária para a comunidade universitária entre os dias 2 e 4 de fevereiro, para que os estudantes se preparem para o retorno presencial.

Em 2021, a Uenp já havia retomado as atividades presenciais dos cursos da área da Saúde, nos campi de Jacarezinho e Bandeirantes. Portanto, para os alunos deste segmento, as aulas presenciais recomeçam regularmente a partir do dia 2 de fevereiro.

Zé Boni pode ser o candidato de Bolsonaro ao senado no Paraná

José Maria Boni, 43 anos, é natural de Loanda (PR). Foi eleito vereador mais jovem do Brasil em Santa Cruz de Monte Castelo, no noroeste do Paraná, aos 18 anos, em 1996. Exerceu quatro mandatos consecutivos na Câmara da cidade. No governo do Paraná, atuou na Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) durante seis anos e na Casa Civil. O último cargo público que ocupou foi na Corregedoria da Assembleia Legislativa.