CPI da Covid: comissão aprova quebra de sigilo de advogado de Bolsonaro e de Ricardo Barros

Mais de 180 requerimentos foram aprovados no início da sessão desta quinta-feira (19). No caso específico do deputado e do advogado, as investigações giram em torno da compra da vacina Covaxin.

No início da sessão da CPI da Covid nesta quinta-feira (19), os membros da comissão aprovaram 187 requerimentos, entre eles, acesso aos dados fiscais do deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) e do advogado do presidente Jair Bolsonaro, Frederick Wassef, de acordo com a CNN Brasil.

A quebra de sigilo de Wassef foi solicitada pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL). Segundo Calheiros, há indícios para apurar se o advogado recebeu recursos da Precisa Medicamentos na assinatura do contrato para compra da vacina Covaxin.

Ricardo Barros também teve pedido de quebra de sigilo referente às negociações do imunizante indiano. Após polêmico depoimento na CPI que levou à suspenção da sessão no dia 12 de agosto, o deputado vem atacando a Comissão Parlamentar de Inquérito.

Ontem (18), o líder do governo na Câmara disse que a comissão “extrapola, exagera e mente”.

“A CPI não encontrará nenhuma ligação minha com a Precisa, todas as pessoas ouvidas no caso Covaxin negaram minha participação. A comissão extrapola, exagera e mente, mas agora a condução da relação com a CPI é com meus advogados”, disse o deputado citado pela mídia.

No total, a CPI solicitou 96 de pedidos de informação, 83 de quebras de sigilos, seis de convocação, um convite à CPI e um pedido de auditoria ao Tribunal de Contas da União (TCU), segundo a mídia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bolsonaro lidera no Paraná, aponta pesquisa Dataveritas

O presidente Jair Bolsonaro (PL) lidera a intenção de votos no Paraná, aponta pesquisa Dataveritas divulgada nesta terça-feira, 14. Bolsonaro lidera na espontânea e em dois cenários pesquisados. As eleições serão em 2 de outubro de 2022 para presidente, governador, senador, deputado federal e deputado estadual.

Na espontânea, Bolsonaro tem 25,8%; seguido do ex-presidente Lula (PT), com 17,9%; o ex-juiz Sergio Moro (Podemos), 7,4%; Ciro Gomes (PDT), 1,4%; e João Dória (PSDB), 0,7%. Não sabe/não respondeu somaram 41,5% e nenhum, 4,3%. Também foram mencionados Rodrigo Pacheco (PSD), João Amoêdo (Novo), Alvaro Dias (Podemos), Daciolo (PMB), Datena (PSD), Enéas, Andre Jonones (Avante), Boulos (Psol), Collor (Pros) e Danilo Gentili.

No primeiro cenário em pesquisa estimulada, Bolsonaro lidera com 40,8%, Lula (24,7%), Moro (17,2%), nenhum (6,4%), Ciro (4%), não sabe/não respondeu (3,2%), Dória (2,1%), Simone Tebet (MDB) – 0,8%; Pacheco (0,4%), Felipe d’Avila (Novo) – 0,2%, Alessandro Vieira (CDN) – 0,02%.

Num segundo cenário com sete pré-candidatos, Bolsonaro tem 41%, Lula (27,9%), Moro (17,2%), nenhum (6,8%), Ciro (4%), não sabe/não respondeu (3,4%), Doria (2,2%), Felipe d’Avila (0,3%), Alessandro Vieira (0,07%).

O Dataveritas entrevistou 1,5 mil eleitores entre 1º e 9 de dezembro em 80 cidades paranaenses. O grau de confiança é de 95% e a margem de erro de 2,7%. O levantamento foi feito através de entrevistas pessoais e telefônicas. A partir de 1º de janeiro de 2022, as pesquisas devem ser registradas no TSE (Tribunal Superior Eleitoral

Pastor antivacina morre após ser hospitalizado por Covid-19

O pastor americano Marcus Lamb, conhecido por suas pregações contra as vacinas da Covid19, morreu depois de ser hospitalizado com Covid-19, anunciou sua família ontem, segundo informações da CNN. Marcus costumava se manifestar contra as vacinas em seu programa televiso. Em um episódio no início deste ano com os ativistas antivacinas Robert F. Kennedy Jr. e Del Bigtree, Lamb disse que a vacina Covid-19 “não era realmente uma vacina”, mas uma “injeção experimental” que era “perigosa. Marcus Lamb alegou que pessoas estavam morrendo ou tendo distúrbios neurológicos por causa da vacina.

Sua esposa, Joni Lamb, anunciou a morte. Segundo ela, seu marido tinha diabetes, mas era saudável e foi hospitalizado após ser diagnosticado com Covid-19. “Ele nunca falava sobre isso, mas tinha diabetes, mas controlava. Ele era muito saudável, comia saudável, mantinha o peso baixo e sempre mantinha o açúcar em bom nível. Mas tentando tratar Covid e a pneumonia, os diferentes protocolos usados, incluindo muitos dos protocolos de que falamos aqui no Daystar, e usamos esses, e eu os usei e passei por Covid.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA afirmam que as vacinas da Covid-19 “são seguras e eficazes” e que quaisquer eventos adversos após a vacinação “são raros, mas podem ocorrer”. Pessoas que não foram vacinadas contra Covid-19 tinham 11 vezes mais chances de morrer da doença e 10 vezes mais chances de serem hospitalizadas com a doença, de acordo com um estudo publicado pelo CDC.