CPI aprova quebra de sigilo de Pazuello, Ernesto Araújo e de diversos assessores ligados à Saúde

Vários requerimentos foram emitidos decretando quebra de sigilo telefônico, telemático, bancário e fiscal. Agências de publicidade também entraram na lista.

Nesta quinta-feira (10), a CPI da Covid aprovou uma série de pedidos solicitando a transferência do sigilo telefônico e telemático de alvos da investigação da CPI em curso no Senado.

Entre eles, foi requerido a quebra de sigilo do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello e do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, segundo o G1.

Além dos mencionados acima, o empresário Carlos Wizard, a coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI), Francieli Fontana Fantinato e o auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) Alexandre Figueiredo Marques, apontado como autor de uma nota falsa sobre a quantidade de óbitos por coronavírus, também terão seu sigilo quebrado.

Novas convocações e convites (quando se apresentar não é obrigatório) também foram emitidos, como a convocação do ministro da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário e convites ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Fernando Pigatto, e a um representante (com nome a ser definido) do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass).

A lista de quebra de sigilo é longa, com mais 14 nomes além dos destacados, envolvendo diversos assessores, ex-assessores, coordenadores, secretários e diretores.

Entre eles estão Filipe Martins, assessor internacional da Presidência da República; Hélio Angotti Neto, Secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde do Ministério da Saúde e Marcellus Campêlo, ex-secretário de Saúde do Amazonas.

Ao mesmo tempo, também foi aprovada a transferência do sigilo bancário e fiscal das seguintes empresas de publicidade: Artplan Comunicação, Empresa PPR – Profissionais de Publicidade Reunidos, Calya/Y2 Propaganda e Marketing e da Associação Dignidade Médica de Pernambuco.

Nesta quinta-feira (10), estava no programa na CPI o depoimento do governador Wilson Lima (PSC) do Amazonas. Porém, com a decisão do STF de lhe dar a escolha de participar ou não, Lima, que não quis comparecer, acabou alterando o curso previsto, o que levou os senadores a aprovarem as quebras de sigilo mencionadas hoje.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

O verão começa exatamente às 12h59 desta terça-feira (21) e as regiões turísticas se preparam para a invasão de pessoas. Por mais um ano, paira um misto de insegurança em relação à pandemia e de expectativa para a recuperação da economia. Nas cidades balneárias, o Estado iniciou no último final de semana a Operação Verão Paraná Viva a Vida 2021/2022: no Litoral e nas praias de água doce do rio Paraná e do Lago de Itaipu na Costa Oeste.

Em meio a tudo isso, moradores das proximidades dos locais de lazer se preparam para enfrentar as temíveis caixinhas de música, grande aliada nas festas e arma para a perturbação. No Litoral, a Polícia Militar começou no sábado (18) a Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu) com foco no combate à perturbação do sossego. No Litoral, já no primeiro dia, houve as primeiras lavraturas de termo circunstanciado.

 

Jogos de azar

Relator do marco regulatório dos jogos de azar, o deputado Felipe Carreras (PSB-PE) apresentou o parecer final sobre o projeto, que tem a resistência de lideranças evangélicas. A proposta estipula regras para a legalização de cassinos e bingos. O relatório, de 69 páginas, sintetiza 25 proposições apresentadas desde 1991, tendo como ponto de partida um projeto de lei que retira o jogo do bicho do rol de contravenções penais. A bancada evangélica já anunciou o voto contra o marco. O presidente Jair Bolsonaro reiterou a líderes religiosos que vetará o projeto caso seja aprovado no Congresso.