Cida inaugura o 28º Batalhão da Polícia Militar na Lapa

A governadora Cida Borghetti inaugurou nesta quinta-feira (13) o 28º Batalhão da Polícia Militar, com sede na Lapa, Região Metropolitana de Curitiba. O município contava com a 1ª Companhia Independente da PM, que foi elevada a batalhão, passando a contar com maior efetivo, mais equipamentos e maior área de atuação. O 28º BPM atenderá, além da Lapa, também Campo do Tenente, Piên, Quitandinha, Contenda, Rio Negro, Porto Amazonas e Palmeira.

Cida enfatizou a importância da ação. “É um importante avanço para a população e para os militares que trabalham aqui nesse prédio histórico. Desde que assumi, em abril, recebi essa demanda e não medi esforços para trazer essa conquista para a cidade” disse a governadora. “A medida objetiva reforçar o policiamento e a segurança na região, com mais profissionais e melhor estrutura. A segurança pública é uma das grandes demandas da população e prioridade das ações do Estado”, afirmou.

A comandante-geral da PM, coronel Audilene Dias Rocha, afirmou que a cidade é o quinto maior município em extensão e que, por conta disso, a elevação da companhia para batalhão é significativa. “A população vinha solicitando essa mudança há tempo, visando essa ampliação do policiamento”, disse ela.

Para o prefeito da Lapa, Paulo Furiati, o município se torna agora polo de segurança pública na região. “A mudança vem ao encontro de decisões que a prefeitura está tomando para ampliar o sistema de segurança” disse ele.

NOVAS UNIDADES – A governadora ressaltou que no dia 12 de novembro, quando foi criado o 28º BPM, também foi autorizada a criação de duas novas companhias da PM, em Rio Negro e em Palmeira. Em Colorado, no Noroeste do Estado, a 2ª Companhia do 4º Batalhão da PM, sediado em Maringá, foi elevada a 2ª Companhia Independente, com sede e efetivo próprios, e que abrangerá 18 municípios. O 4º BPM terá readequação para reforçar as ações de segurança pública.

Nesta quinta-feira, pela manhã, a governadora anunciou a criação do 10º Subgrupamento de Bombeiros Independente, em Irati, no Centro-Sul do Estado. O município também recebeu uma viatura para a Patrulha Maria da Penha, que é utilizada exclusivamente no atendimento às ocorrências de violência doméstica.

INVESTIMENTOS – Só em 2018, 166 viaturas foram repassadas às polícias Militar e Civil. O Governo do Estado também entregou 1.660 rádios comunicadores digitais para as penitenciárias. Foi lançado o APP 190: Acionamento da PM pelo celular. O Paraná recebeu o Centro Integrado de Inteligência da Região Sul, inaugurado no dia 4 de dezembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paraná confirma participação nas comemorações dos 200 anos de nascimento de Anita Garibaldi

A Associação Giuseppe Garibaldi confirmou nesta segunda-feira (04) a participação do Paraná nas ações de comemoração dos 200 anos de nascimento da heroína Anita Garibaldi, que ocorrerão em 2021 na Itália, no Uruguai e no Brasil.

O convite oficial aconteceu na sede da associação, em Curitiba, durante palestra do diretor do Instituto Cultural Anita Garibaldi, Adílcio Cadorin. O Instituto é um dos organizadores das comemorações no país.

A presidente da Garibaldi, Cida Borghetti, que recentemente esteve em Santa Catarina participando de eventos semelhantes em Florianópolis e Laguna, agradeceu o convite e garantiu uma participação comprometida da Associação e da diretoria da entidade.

“Anita é uma mulher reconhecida pelas suas bravuras aqui no Brasil e na Itália. Por onde passou deixou uma marca importante. Estamos honrados com o convite e estamos dispostos a colaborar com este belo e importante projeto”.

Cida também agradeceu a palestra realizada por Cadorin que fez um resgate histórico e narrou diversas curiosidades da vida Anita Garibaldi. “Uma história que merece ser contada. Uma homenagem a Anita Garibaldi e a todas as famílias de descendentes italianos que vivem aqui no sul do país”, acrescentou.

Rosa

O cônsul-geral da Itália no Paraná e Santa Catarina, Rafaelle Festa, que também é um dos idealizadores do projeto, agradeceu o envolvimento da Associação Giuseppe Garibaldi.

“Resolvemos começar desde agora a celebrar o aniversário desta heroína. Graças ao envolvimento de todos, conseguimos uma parceria com a Itália e vamos recuperar a memória e ligação histórica com Anita Garibaldi”.

De acordo com o cônsul, as festividades de 2021 começarão com um gesto simbólico que se chama uma ‘Rosa para Anita’. Rosa para Anita é uma  iniciativa do Museu e Biblioteca Renzi, de San Giovanni in Galilea.

Foi desenvolvida uma muda híbrida de rosa batizada de “Anita Garibaldi”, a planta foi doada Instituto Técnico Garibaldi-Da Vinci, de Cesena. No Brasil a muda está sendo cultivada no laboratório da Unisul em Santa Catarina.

“Uma semente será trazida aqui para o Brasil e ficará no Jardim da Associação Garibaldi. Um gesto simbólico do espírito da liberdade e democracia”.

Curitiba

De acordo com o assessor de relações internacionais da orefeitura de Curitiba, Rodolpho Zannin Feijó, o Palácio Garibaldi o evento vem reforçar a importância e a relevância da comunidade italiana na vida cultural, histórica e política de Curitiba e do Brasil.

“A prefeitura de Curitiba apoia este evento, apoia essa iniciativa e se coloca à disposição também para levar adiante e plantar a semente da “Rosa pela Anita” e multiplicar todos os seus ideais de justiça e igualdade social na cidade de Curitiba”.

Palestra

“Dois Mundos e Uma Rosa para Anita” foi o projeto apresentado por Aldício Cadorin, um dos grandes estudiosos de Anita Garibaldi.

Cadorin detalhou diversos episódios da vida e da obra daquela que é chamada de heroína dos dois mundos por sua participação em batalhas históricas no Brasil e na Itália.

“Este grande projeto vai envolver quatro países e agora também conta com a presença do Paraná. Há muita boa vontade de toda a equipe do Palácio Garibaldi. Uma grande responsabilidade”, afirmou o palestrante.

Cadorin falou também dos sete sepultamentos da ilustre catarinense, com a projeção de imagens originais.

Presenças

Estiveram também presentes o vice-presidente da Câmara de Comércio França-Brasil, Alain Tissier, e diretores e sócios da Associação Giuseppe Garibaldi.

Outubro Rosa: Palácio Garibaldi sedia evento para arrecadar recursos ao HC

Com objetivo de conscientizar sobre o câncer de mama e arrecadar recursos para o Hospital das Clínicas (HC), o Palácio Garibaldi recebe no domingo (20) o evento “Tecendo Solidariedade – artesanato e cultura”.

Das 10h às 15h, os jardins e salões do centenário palácio, localizado  no centro histórico de Curitiba, receberão um bazar do projeto “Tecendo Solidariedade”, apresentações culturais e palestras sobre os hábitos que podem afastar os riscos do câncer de mama.

Serão colocadas à venda peças produzidas por voluntárias com a participação de pacientes do Centro de Mama do HC. Toda a renda será doada aos Amigos do HC.

“É uma satisfação para a direção da Sociedade Giuseppe Garibaldi receber esse evento beneficente. A boa informação aliada com a prevenção são ferramentas essenciais para o combate à doença”, afirma a presidente da entidade, Cida Borghetti.

Cida Borghetti é uma das principais referências no país em ações de combate ao câncer de mama. Quando deputada federal articulou os recursos para a aquisição de quatro Centros de Diagnóstico e Tratamento do Câncer de Mama, um deles está instalado no HC.

PROJETO – O “Tecendo Solidariedade” foi idealizado e criado pela médica radiologista do HC, dra Maria Helena Louveira, que utiliza o valor terapêutico do artesanato para reduzir sentimentos como medo, solidão e angústia de pacientes e acompanhantes.

“Pensamos em oferecer a essas mulheres a oportunidade de aprender e de colocar na sua prática diária pequenas atividades com crochê. Ensinamos, incentivamos, orientamos e, finalmente, demos vida as peças produzidas por elas em peças de artesanato, como almofadas e mantas”, explica Louveira.

“Os relatos das pacientes surpreenderam: muitas melhoraram a qualidade sono, ficaram mais calmas e aceitaram melhor a doença e o tratamento. Também houve melhora no ambiente da recepção. Elas passaram a se comunicar entre elas e a criar vínculos de amizade, já que tinham um assunto em comum: o artesanato”, acrescenta.