Pré-candidato a deputado federal, Marcio Nunes reforça o time

O deputado estadual Márcio Nunesao que tudo indica, deve trocar de posto e sair candidato a deputado federal nas eleições de 2022 pelo PSD. Um dos articuladores mais próximos do governador Ratinho Júnior, Nunes ocupa hoje o cargo de Secretário de Desenvolvimento Sustentável e Turismo, em uma das pastas mais prestigiadas em termos de recursos, programas e cargos.

Para tanto, Márcio Nunes está montando um grupo de ex-prefeitos para concorrer a estadual e dobrar na campanha.

O reforço mais importante começou em casa. Nas eleições de 2020, sua esposa, Fátima Nunes, foi eleita vice-prefeita de Campo Mourão na chapa com Tauillo Tezelli. Como Tauillo está em seu segundo mandato, Fátima deve concorrer à prefeitura em 2024.

Outros prefeitos de cidades da região da Comcam e aliados de Márcio foram recentemente nomeados no governo estadual. É o caso de Valter Peres, de Terra Boa, e Beto Costa, de Goioerê, que devem ser candidatos a deputado estadual nas eleições de 2022 pelo PSD e fazer dobrada com Márcio.

E o Rubens Bueno?

A candidatura de Márcio Nunes à Câmara Federal deixa em alerta o time do deputado Rubens Bueno, que tem na região de Campo Mourão a sua base eleitoral há anos. Ele foi prefeito da cidade do carneiro no buraco.

Com 76.471 em 2018, Rubens ficou foi o terceiro menos votado da chapa. Um terço dos votos foram registrados em Campo Mourão e mais da metade na região da Comcam. Por isso há o temor de que uma candidatura de Márcio coloca o mandato de Rubens em risco.

Quem é Márcio Nunes

Natural de Campo Mourão, Márcio Fernando Nunes é engenheiro agrônomo e produtor rural. Foi vice-prefeito e secretário municipal de Agricultura e Meio Ambiente de Campo Mourão, na gestão 1996/2000. Também foi chefe regional da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento na região Noroeste e diretor administrativo e financeiro do Emater/ PR.

Em janeiro de 2011, Márcio Nunes assumiu a presidência do Instituto das Águas do Paraná. Foi eleito deputado estadual em 2014 e reeleito em 2018, quando se licenciou do cargo para assumir a Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo na gestão do governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vem aí o comitê Lula/Ratinho Junior

Conforme antecipado pelo blog, lideranças sociais e partidárias devem aproveitar a isenção do governador Ratinho Júnior na disputa presidencial de 2022 para lançar o comitê Lula/Ratinho Júnior. Na manhã desta terça-feira (25), no Centro Cívico, uma primeira reunião informal reuniu filiados do MDB e PSB. a missão será alavancar o voto conjunto em Lula para presidente e em Ratinho Júnior para governador do Paraná.

A ideia do time é aglutinar, de forma independente, lideranças do PSB, PSD, PV, Rede, PCdoB e de outras legendas que devem fazer parte da coligação de Lula. No caso do MDB, apesar do partido ter lançado a candidatura da senadora Simone Tebet à presidência, no plano estadual sempre esteve próximo de Lula.

O time aposta em boa aceitação já que num passado distante Ratinho e Ratinho pai tiveram boas relações com Lula. Além disso, o ex-presidente está empatado em Curitiba com Bolsonaro e Moro, segundo pesquisa do IRG.

A decisão de Ratinho em manter-se neutro se dá pela profusão de candidatos ao Planalto em partidos aliados do governador. O PL com Bolsonaro e o Podemos e o Podemos com Sérgio Moro são apena dois dos partidos que apoiam Ratinho no plano estadual mas têm projetos nacionais isolados. Além disso, o próprio PSD, a que o governador é filiado, lançou a candidatura de Rodrigo Pacheco, ainda incerta.

Nem Ratinho Jr, nem o PT do Paraná participam das tratativas do “comitê Lula Ratinho”. O PT, inclusive, deve apoiar a candidatura de Roberto Requião ao Palácio Iguaçu.

Multinacional busca recém-formados para programa de trainee focado em diversidade; salário é de R$ 10 mil

Uma multinacional do ramo de alimentos está com inscrições abertas até 4 de fevereiro para programa de trainee focado em diversidade direcionando todas as vagas para minorias dos grupos LGBTQIA+, étnico-racial, pessoas com deficiência e mulheres.

O programa tem duração de 20 meses e ao final do processo seletivo os candidatos serão alocados em uma das cidades participantes que são: CuritibaSão Paulo ou Vitória de Santo AntãoO salário oferecido é de R$ 10 mil.

As inscrições podem ser feitas pelo site do processo seletivo. O início do programa está previsto para março deste ano. O número de vagas disponível não foi divulgado.

Foto: Prefeitura de Jundiaí/Divulgação