Bolsonaro sanciona parcialmente texto que revoga Lei de Segurança Nacional

O presidente Jair Bolsonaro vetou parcialmente o projeto, aprovado no Congresso, que trata dos crimes contra o Estado Democrático de Direito que revoga a Lei de Segurança Nacional (LSN).

O texto foi enviado à sanção presidencial pelo Senado em 12 de agosto, com a discussão da matéria pelo Congresso ocorrendo em meio à escalada de declarações golpistas de Bolsonaro, que, inclusive, colocou em dúvida a realização das eleições de 2022, segundo a Folha de São Paulo.

A decisão de Bolsonaro inclui o veto a cinco trechos, dos quais pelo menos dois podem beneficiar seus apoiadores, já que estão ligados à comunicação enganosa em massa e o aumento de pena quando os crimes contra o Estado de Direito forem cometidos por militares ou outros agentes públicos.

A sanção parcial do texto foi publicada nesta quinta-feira (2) no Diário Oficial da União.

Com a decisão do presidente, caberá ao Congresso analisar os vetos de Bolsonaro.

Criada em 1983 durante a ditadura militar, a LSN (Lei 7.170) definia crimes contra a “ordem política e social”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Datena permanece no União Brasil e está “a disposição para aquilo que o partido definir”

PDT admite que “palanque duplo” com Lula será inevitável

Chefes do PDT presentes na convenção que lançará oficialmente Ciro Gomes como pré-candidato à Presidência da República já admitem que a sigla terá vários “palanques duplos”. Ou seja, candidatos que dividirão apoio entre o escolhido pedetista e Lula, o favorito até o momento para as eleições de 2022.

O principal nome da sigla que deverá estar em palanques de Ciro e Lula é o senador Weverton Rocha (MA). Ele deverá ser candidato ao governo do Maranhão e terá permissão da direção da legenda para estar ao lado do candidato do PT.

Leia mais em Metrópoles