219 toneladas de drogas foram apreendidas no Paraná nos primeiros nove meses do ano

Operações integradas, ações ostensivas, de patrulhamento, de investigação e de fiscalização desencadeadas pelas forças de segurança pública do Paraná resultaram na apreensão de 219 toneladas de drogas nos primeiros nove meses de 2021. Este número consta no relatório de apreensão de drogas, da Secretaria estadual da Segurança Pública (Sesp), e aponta um aumento de 5,34% na apreensão de entorpecentes no Estado.

O secretário de Estado da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, explica que as forças de segurança têm trabalhado de forma integrada para que haja uma efetiva resposta ao cidadão.

“O serviço prestado pelas forças parte de um planejamento estratégico que se referencia nas estatísticas. Com orientações da Secretaria, os setores de inteligência e investigação das polícias conseguem focalizar nossas operações e efetivo nos pontos exatos onde a criminalidade se concentra, para que assim consigamos melhorar nossos índices de apreensão de drogas e melhorar a segurança do cidadão”, disse.

De acordo com os dados da Secretaria, a maconha é o entorpecente mais apreendido. No período analisado, 215.282 quilos da droga foram interceptados – 11,2 toneladas a mais que no mesmo período em 2020, quando as apreensões somaram 204.045 quilos.

Em apenas cinco cidades da região Oeste do Estado (Foz do Iguaçu, Santa Helena, Guaíra, Toledo e Cascavel), o volume de maconha totalizou 68 toneladas nos primeiros nove meses de 2021. Dentre essas cidades, Toledo se destacou após um caminhão que levava 12,7 toneladas da droga ser abordado durante um única operação conduzida pelo Batalhão de Polícia de Fronteira (Bpfron) na região, em janeiro deste ano.

“Além do trabalho ostensivo e diário dos policiais, muitas das grandes apreensões se deram a partir das operações coordenadas e planejadas pelos setores de inteligência da Polícia Militar. Conseguimos levantar informações sobre os principais pontos focais do tráfico de drogas no Paraná, o que nos possibilita atacar diretamente a raiz do problema e coibir a circulação de drogas”, explicou o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Hudson Leôncio Teixeira.

Se comparados os primeiros nove meses de 2021 com o mesmo período de 2020, a apreensão de crack aumentou 32,63%. Em números absolutos, de janeiro a setembro de 2021 foram recolhidos das ruas 1.302,94 quilos da droga, enquanto neste mesmo período em 2020, foram 982,37 quilos.

As cidades em que ocorreram as maiores apreensões, nos nove primeiros meses de 2021, foram Maria Helena, no Noroeste (425 quilos), Curitiba, (177 quilos) e Londrina (160 quilos).

A apreensão de cocaína, entretanto, diminuiu. De janeiro a setembro de 2021 foram 2,9 toneladas e no mesmo período em 2020, 3,3 toneladas. As maiores apreensões aconteceram em Santa Fé (472 quilos), Umuarama (457 quilos) e Paranaguá (300 quilos), no Norte, Noroeste e Litoral do Estado, respectivamente.

SINTÉTICAS – O relatório também mostra uma queda de 46% na apreensão de LSD, com  20.753 unidades da droga nos nove primeiros meses deste ano e 38.519 no período analisado em 2020. A apreensão de ecstasy, porém, foi maior que ano passado. De janeiro a setembro de 2021, foram 59.134 comprimidos, contra 35.198 em 2020.

Uma das operações que contribuiu para o crescimentos da apreensão de ecstasy aconteceu em agosto de 2021. A ação foi coordenada pelo Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) da Polícia Civil e resultou na interceptação de 12,5 mil comprimidos, de uma só vez, em Maringá. De acordo com as informações, a investigação que levou a esse local foi iniciada após a apreensão de 5 mil compridos em um posto dos Correios de Londrina, no mês anterior.

“O serviço investigativo e de inteligência prestado pelos policiais civis nos garantiu sucesso em um grande número de operações de combate ao tráfico de drogas neste ano que, somadas às elucidações de crimes, têm auxiliado na redução da prática de outros crimes relacionados ao tráfico”, explicou o delegado-geral da Polícia Civil do Paraná, Silvio Jacob Rockembach.

CURITIBA – Na Capital, a atuação das polícias resultou no aumento de 4,55% na apreensão total de maconha. De janeiro a setembro deste ano as apreensões totalizaram 4.728,86 quilos, frente a 4.523,12 quilos no ano anterior.

A quantidade de crack nestes mesmos períodos mais que dobrou. Foram recolhidos 177,9 quilos da droga no período analisado deste ano e 67,6 quilos no ano passado. A apreensão de cocaína também cresceu, com 163 quilos em 2021 e 110 quilos de janeiro a setembro de 2020.

Curitiba registrou maior apreensão de LSD no Estado, mesmo apresentando redução nos números absolutos. Nos nove primeiros meses de 2021 foram 4.249 pontos da droga e, no período analisado em 2020, 26.386 unidades. A redução foi um pouco menos expressiva no caso do ecstasy, com 9.405 e 18.598 comprimidos recolhidos no período, em 2021 e 2020, respectivamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cornélio Procópio passa a ter três voos por semana para Curitiba

A Azul Linhas Aéreas inicia a operação com voos comerciais, interligando o Norte Pioneiro com Curitiba e outras regiões do Estado. O Aeroporto Francisco Lacerda Júnior, de Cornélio Procópio, integra o programa Voe Paraná. O voo inaugural foi nesta terça-feira, 25, às 10h45.

“O Norte Pioneiro se prepara para a retomada da economia, com a integração a outros grandes centros urbanos. É um avanço para os moradores da região, que poderão se deslocar com segurança e rapidez para Curitiba e outras cidades do Paraná”, disse o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB).

Nos próximos dias deve ser iniciada a obra de pavimentação da pista do aeroporto, sem comprometimento das operações aéreas. Serão investidos R$ 4.594.065,25 para recape asfáltico da pista de pouso e decolagem, além de obras de balizamento. A pista do aeroporto tem 1,7 quilômetro, em uma área de mais de 42,7 mil metros quadrados.

Cornélio Procópio terá três voos semanais, com destino a Curitiba. Às terças e quintas, a saída *prevista às 11h10, * com chegada em Curitiba às 12h30. Já no domingo, a previsão é de saída às 13h20 e chegada à capital paranaense às 14h40.

Partindo de Curitiba, o voo será às 9h15 com previsão de chegada em Cornélio Procópio às 10h45, nas terças e quintas. Aos domingos, a saída prevista é para as 11h25, com chegada no Norte Pioneiro às 12h55.

Aeronave — Os voos do Norte Pioneiro a Curitiba serão feitos em aeronaves Cessna Gran Caravan, com capacidade para nove passageiros. Romanelli e o prefeito Amin Hannouche (PSD), de Cornélio Procópio, acompanharam as negociações entre o Governo do Paraná e executivos da companhia aérea.

Desde o final do ano passado, a Azul comercializa passagens para os dez novos destinos em todos os seus canais oficiais. Além de Cornélio Procópio, os voos também vão transportar passageiros de Cianorte, Telêmaco Borba, Arapongas, Campo Mourão, Apucarana, Guaíra, Francisco Beltrão, União da Vitória e Umuarama.

Mais Paraná e menos Brasília

Guto Silva

Depois de 1007 dias, me despedi na semana passada da chefia da Casa Civil do governo Ratinho Júnior. Agora sou pré-candidato ao Senado Federal. Foi uma honra fazer parte desse time vencedor e desenvolver políticas públicas para a nossa gente trabalhadora. Enfrentamos com determinação a pandemia global do novo coronavírus e uma seca que castiga nosso Paraná há quase dois anos. E nem isso foi capaz de nos deter na construção do Estado mais inovador do Brasil. E com um detalhe fundamental: focamos em cuidar das pessoas quando elas mais precisavam. Principalmente as mais vulneráveis.

Mas vou aproveitar o espaço para falar de algumas missões importantes delegadas pelo governador e que cumprimos à frente da Casa Civil. Princialmente de modernizar a máquina pública. Fizemos duas reformas administrativas. Uma delas reduziu para 15 o número secretarias de Estado. Outra importante lei que foi construída é a da terceirização. Essa nova legislação extinguiu cargos que poderiam ser terceirizados quando da aposentadoria do servidor público.

Também construímos a mais moderna lei de parcerias público-privadas no Brasil. Acabamos com o clima de desconfiança entre o capital produtivo e o Estado. Quem quiser gerar emprego e renda no Paraná será sempre bem-vindo. Sem bravata.

Outro ponto a se destacar é a Lei de Liberdade Econômica, que assegurou a interferência mínima do Estado nos negócios. A Lei de Qualidade Fiscal foi outro avanço. Com ela criamos novas normas para as finanças estaduais.

O Banco de Projetos viabilizou R$ 162 milhões de novos projetos, que devem gerar R$ 11,7 bilhões em novas obras. Ainda há mais R$ 106 milhões em projetos planejados, que poderão render outros R$ 6,2 bilhões em obras. Isso é pensar e projetar o Estado por várias décadas. E não apenas por um mandato.

E agora reservo um espaço especial para um dos trabalhos que me dediquei sobremaneira. O programa Descomplica, que se tornou política de estado, mudou a realidade para os empreendedores no nosso Paraná. Ele tem três vertentes: liberação do CNPJ e das autorizações para empresas de baixo risco em menos de 24 horas; soluções para fechamento de empresas, e a instalação de um comitê permanente de desburocratização com a participação da sociedade civil. E já avançamos agora para o Descomplica Rural, que trouxe agilidade nos processos de licenciamento ambiental no campo, com segurança ambiental e jurídica. E há ainda o Descomplica Telecom, que vai acelerar a implementação da tecnologia 5G no nosso Estado. Sucesso absoluto.

E esses bons projetos e programas do governo Ratinho Júnior devem ser pensados em nível nacional. Quero levar isso para o Senado Federal bem como defender as principais obras e necessidades dos paranaense. Serei um parceiro de todas as horas do governador.

Vou levar também a energia do povo trabalhador que temos. Serei incansável na defesa do nosso Estado. Estarei sempre aqui no Paraná ouvindo nossa gente. Sempre fiz isso e vou continuar. E não estarei aqui só em época de eleição para pedir voto.

A política nacional precisa ser renovada. As principais companhias do mundo são administradas hoje pelos netos, que aprenderam tudo com seus pais e avós. Mas essas empresas precisaram ser modernizadas para enfrentar o mundo atual. E a política precisa disso também. Esse é meu proposito.

Guto Silva é deputado estadual e pré-candidato ao Senado.

Foto: Pedro de Oliveira