Empresários apoiam Plano de Recuperação de Curitiba apresentado por Greca

Greca reunido com Grupo Lide

Empresários e especialistas defenderam a aplicação do Plano de Recuperação de Curitiba apresentado nesta quinta-feira, 30, pelo prefeito Rafael Greca, em debate promovido pelo Grupo Lide, de incentivo ao desenvolvimento da iniciativa privada, na capital paranaense. Eles destacaram a importância do ajuste fiscal, a contenção de despesas e vário projetos que impulsionam a economia e a cadeia produtiva da cidade.

No evento, Greca expôs os principais desafios enfrentados neste início de gestão e apresentou o o pacote, formado por um conjunto de 52 medidas e 12 projetos de lei enviados na terça-feira à Câmara Municipal.
Segundo explicou Greca, as medidas – entre elas a criação de uma Lei de Responsabilidade Fiscal e de uma nova meta fiscal – são necessárias para dar condições de resolver a grave situação financeira do município, que herdou uma dívida de R$ 1,2 bilhão e tem um déficit orçamentário de R$ 2,1 bilhões para este ano.

“Recebi com entusiasmo a tarefa de arrumar Curitiba e vim pedir a parceria do empresariado para essa grande missão que é tornar a cidade mais forte do que as dificuldades”, afirmou o prefeito. “Vou reerguer a Prefeitura à altura da grandeza da nossa capital”, disse Greca, valorizando o esforço que vem sendo feito por toda equipe no processo de “reengenharia municipal”. O prefeito detalhou ainda várias outras ações que estão sendo adotadas em áreas como saúde, urbanismo, infraestrutura, empreendedorismo, meio ambiente, inovação e ação social.

Apoio à responsabilidade fiscal – O vice-chairman of the board da Lide Global, o economista Roberto Gianetti da Fonseca, ressaltou a importância da atuação da autoridade municipal no processo de recuperação da “espiral recessiva” da economia.

Segundo ele, a primeira coisa a ser feita é promover o ajuste fiscal sempre que necessário. “No momento em que se tem contas equilibradas na prefeitura, já se está dando uma colaboração ao empresariado”, avaliou.

Já o presidente do Lide Paraná, Fabrício de Macedo, destacou que tem aumentado a preocupação do empresariado com a gestão pública. “É muito importante que poder público e iniciativa privada caminhem juntos, pois as decisões tomadas em âmbito público afetam o setor privado”, afirmou.

Para Macedo, as ações de saneamento das finanças municipais promovidas por Greca têm “sem dúvida alguma a intenção de melhorar a nossa cidade.”

O empresário Marcelo Gava, por sua vez, considera que o Plano de Recuperação é essencial para o sucesso da atual administração. “Recompor as contas públicas e reavaliar os gastos é fundamental para se conseguir fazer essa gestão”, disse.

Para ele, é necessário também apoio do governo estadual e demais instituições para o município conseguir vencer as dificuldades.

Vale do Pinhão é louvável – Além de debater o Plano de Recuperação, o prefeito abordou o Vale do Pinhão, iniciativa promovida pela Prefeitura para fomentar empresas inovadoras em Curitiba.

Segundo Macedo, que é empresário do setor de gestão de pessoas, a iniciativa é “fantástica” e vai gerar frutos. “Esse projeto, com um nome absolutamente curitibano e com uma ideia e uma história, precisa ser difundido”, defendeu.

Para Roberto Gianetti da Fonseca, a ideia de desenvolver um polo de inovação é louvável. Ele elogiou a qualificação da mão de obra da cidade e se mostrou otimista: “Quem sabe tenhamos em breve grandes projetos na área de tecnologia que surjam aqui em Curitiba e se tornem empresas de nível nacional e internacional?”

O evento – O encontro foi realizado no Castelo do Batel e contou com cerca de 150 pessoas, entre elas o presidente da Fecomércio-PR, Darci Piana, o presidente-executivo do Grupo RIC Paraná, Leonardo Petrelli, o presidente do Grupo J. Malucelli, Joel Malucelli, e a diretora da Unidade de Jornais do Grupo Paranaense de Comunicação, Ana Amélia Filizola.

Também estiveram presentes no evento o vice-prefeito e secretário municipal de Obras Públicas e Infraestrutura, Eduardo Pimentel, o secretário de Governo Municipal, Luiz Fernando Jamur, o secretário municipal de Comunicação Social, Marcelo Cattani, o presidente da Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab), José Lupion Neto, a presidente da Fundação de Ação Social, Larissa Tissot, o assessor da Prefeitura para Relações Intenarcionais, Rodolpho Zannin Feijó, a presidente do Instituto Curitiba de Saúde (ICS), Dora Pizzatto, e o diretor-técnico da Agência Curitiba de Inovação, Tiago Francisco.

Lide – O Lide, que promoveu o encontro, é um grupo privado voltado ao debate e fortalecimento da livre iniciativa e do desenvolvimento econômico e social, além da defesa dos princípios éticos de governança corporativa no setor público e privado. Foi fundado no Brasil em 2003 e reúne líderes empresariais de corporações nacionais e internacionais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O melhor remédio contra a ômicron

Chico Brasileiro

Os prefeitos estão sendo pressionados novamente entre aqueles que defendem as medidas restritivas e os que as condenam. A questão diz respeito à nova onda da Covid-19 provocada pela variante ômicron. De antemão, vale a pergunta: qual gestor não quer o bem da sua cidade? Ouso dizer que não se encontra um, por mais ideologizado que se tornou o debate durante essa pandemia. No entanto, a ômicron se alastrou por todo o mundo e tem alta taxa de contágio, o que pode comprometer a saúde de uma parcela significativa da população e o atendimento aos casos mais graves pelo SUS.

Foz do Iguaçu, todos sabem, é um dos destinos turísticos mais procurados no Brasil e estamos em franca recuperação da nossa principal atividade econômica. Neste fim de ano, os hotéis ficaram lotados, os atrativos bateram recorde de visitação, o mesmo aconteceu na movimentação de passageiros no aeroporto e na rodoviária, e no fluxo rodoviário na BR-277, que se intensificou com a liberação das cancelas de pedágio.

Essa retomada célere, que pode ter surpreendido alguns, se deu por um esforço conjunto da gestão pública e do setor produtivo. Em Foz do Iguaçu, antecipamos uma série de medidas como os protocolos e certificados de biossegurança e, muito importante destacar, tivemos êxito na campanha de vacinação em massa. Fomos, talvez, a primeira cidade-turística brasileira a vacinar mais de 100% da população – Foz está na fronteira e ainda tem o impacto de brasileiros e paraguaios que moram no departamento paraguaio do Alto Paraná e procuram o sistema de saúde municipal brasileiro para serem atendidos e até vacinados.

Agora estamos com a chamada “terceira onda” da Covid, que é menos agressiva, com sintomas mais leves, justamente porque a maioria da população tomou a primeira e a segunda doses das vacinas enviadas pelo Ministério da Saúde. Mesmo assim, algumas medidas precisaram ser tomadas. Em Foz, cancelamos o carnaval, uma festa popular. Cidades como São Paulo, Salvador, Olinda, Recife e Curitiba, entre outras, fizeram o mesmo. Todas são destinos turísticos de relevância e evitar as aglomerações ainda é uma medida preventiva correta e acertada. Na capital paranaense, a tradicional e importante Oficina de Música que seria realizada na próxima semana foi suspensa.

Em Foz, estamos avaliando diariamente a evolução da doença, que até o momento está sendo assustadora. Não só nos números de casos positivos como também na busca por exames. Não vimos uma procura tão grande mesmo no pior momento da pandemia, no ano passado. Essa procura demonstra que a transmissão está sendo rápida e temos de trabalhar fortemente na proteção das pessoas.

E a melhor proteção é a vacinação. Temos de ampliar cada vez mais o número de pessoas vacinadas, protegidas com a segunda dose e a dose de reforço. Estamos trabalhando na busca ativa e em alternativas para aqueles que ainda não tomaram a segunda dose, a dose de reforço ou até quem ainda não tomou nem a primeira dose.

Como disse, um gestor não quer adotar restrições. Eu tenho recebido ligações de pessoas que defendem essas políticas para não colapsar a cidade. Porém, o comportamento da doença, nesta variante, está sendo diferente das outras e por isso não podemos tomar as mesmas medidas das vezes anteriores. O nosso sistema hospitalar, que se estruturou ainda mais durante a pandemia, não está com alto índice de internamento e ocupação de UTIs.

Não é possível que as pessoas continuem acreditando que a vacina não serve para nada. Não se trata de questão religiosa ou ideológica, a vacina é uma questão de saúde, de proteção dos cidadãos

Mesmo assim, eu faço um alerta. Tivemos um óbito de uma pessoa de 36 anos que não se vacinou e, pelo que acompanho, esse é um fator determinante nos casos que exigem internação e cuidados extremos em outras cidades brasileiras. Não é possível que as pessoas continuem acreditando que a vacina não serve para nada. Não se trata de questão religiosa ou ideológica, a vacina é uma questão de saúde, de proteção dos cidadãos.

Temos de reforçar que a vacina, não importa o laboratório ou país de origem, é de boa qualidade, de eficácia comprovada e não faz mal algum. Pelo contrário, quem não tomou a vacina está se colocando em grande risco e colocando em risco sua família, amigos e colegas de trabalho. Além disso, todos os cuidados como o uso de máscara, a higiene das mãos e evitar, quando possível, as aglomerações, ainda são fundamentais. Já vencemos a maioria das batalhas, mas precisamos do apoio e de ação de todos para vencer essa guerra.

Chico Brasileiro, dentista e servidor público municipal, é prefeito de Foz do Iguaçu.

https://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/o-melhor-remedio-contra-a-omicron/

“Guto Silva foi um grande interlocutor do Governo junto à Assembleia”, diz Romanelli

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) recebeu nesta quinta-feira (13) o ex-secretário chefe da Casa Civil, deputado Guto Silva (PSD), que está retornando ao Legislativo depois de três anos à frente da principal pasta do Governo do Estado.

“O Guto Silva foi um grande interlocutor do Governo do Estado junto à Assembleia. Coordenou muito bem as ações do Governo em diversas áreas, dinamizou a gestão da pasta e acelerou processos que resultaram em obras e investimentos por todo o Paraná”, disse.

“Desejo ao Guto Silva um bom retorno e que tenhamos um 2022 muito produtivo”, acrescentou.