Projeto do Centro de Memória é apresentado à Prefeitura de Foz

Um novo e importante passo foi dado para a concretização do Centro de Memória de Foz do Iguaçu, um espaço de preservação do patrimônio histórico e cultural do município, que será construído na Avenida JK. Na quinta-feira (16), a Prefeitura recebeu o projeto arquitetônico e de restauração do imóvel, produzido por alunos dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Elétrica da UniAmérica Descomplica Centro Universitário.
Outros três projetos também foram entregues pela universidade: o de iluminação das fachadas da sede da Prefeitura e da Fundação Cultural, onde funcionou o primeiro Fórum de Foz do Iguaçu; o projeto de construção da Estação Cultural, no Morumbi; e o de reforma e ampliação do Caps I (Centro de Atenção Psicossocial Infantil), localizado no Jardim Guarapuava.

O prefeito Chico Brasileiro, diretores da Fundação Cultural e secretários municipais acompanharam as apresentações, realizadas na sede da UniAmérica. “Esse processo de integração, entre a universidade e o poder público é extremamente importante para a cidade, que precisa resgatar e valorizar sua história para poder construir um futuro promissor”, disse Brasileiro. “Ter uma Casa da Memória sempre foi um sonho nosso, e agora, com os projetos, estamos dando um grande passo, encurtando um caminho para poder executar a obra”, completou.

Restauração
O Centro de Memória, que abrigará a Casa da Memória, será composto por três imóveis – um localizado na Avenida JK, nº 20, na antiga sede da Diretoria de Patrimônio, com área de 1,3 mil metros quadrados, e duas casas da Avenida Brasil, com 1,5 mil metros quadrados cada.
As casas, onde hoje funcionam repartições públicas, foram inauguradas em 1950 pelo Governador Moyses Lupion e serviram, à época, de residências ao Governo do Estado. Já o prédio da Avenida Jk, inaugurado em 1927, foi a primeira escola estadual de Foz do Iguaçu.
Além dos projetos de restauração e de interiores produzidos pelos alunos, foram entregues à Prefeitura os projetos prevenção de incêndio, hidrossanitário e de paisagismo do Centro de Memória. A proposta é que o novo espaço tenha fachadas iluminadas, jardins, teatro arena, recepção, salas de aula e salas de exposições, espaços para café, banheiros e elevador. O projeto de interiores é baseado na arquitetura dos anos 50 e prevê espaços de valorização de pioneiros de Foz do Iguaçu, jornais antigos que contam a história da cidade, acervo de objetos, entre outros.

Estação Cultural
Antes de iniciar o projeto arquitetônico da Estação Cultural no Morumbi, os alunos fizeram uma pesquisa com os moradores do bairro para entender as principais necessidades. As sugestões apontadas, como espaços para aulas de dança, salas de estudos, teatro, feiras gastronômicas, shows e exposições, foram incluídas ao projeto, que prevê a criação de um pólo de fomento artístico e cultural, turístico e econômico da cidade. O município tem hoje uma estação Cultural na Vila C, onde são promovidas oficinas e atividades artísticas e culturais.

Parceria
O reitor da UniAmérica, Professor Ryon Braga agradeceu o apoio da Prefeitura Municipal e afirmou que a instituição continua aberta para novas demandas. “Fazemos projetos para diversas prefeituras, mas em Foz do Iguaçu temos muito apoio e a cada ano intensificamos essa parceria. Entendemos que esse é o papel da universidade, um local que cria oportunidades para desenvolver pessoas, que contribuam com o desenvolvimento de uma região”, afirmou.
Juca Rodrigues, diretor-presidente da Fundação Cultural, disse que o trabalho dos estudantes é fundamental no processo de valorização do patrimônio. “Eles realmente se envolveram no projeto, pesquisaram, fizeram entrevistas e o que a gente vê agora é um trabalho maravilhoso de preservação do patrimônio. Estamos concretizando um sonho”, comentou. Após a apresentação dos projetos, o município se comprometeu em buscar recursos e parcerias para execução das obras.

Presenças
Participaram da reunião o diretor geral da UniAmérica Descomplica, Maurício Pedroso; a secretária de Meio Ambiente, Ângela Meira; o secretário de planejamento, Leandro Costa; a diretora de Patrimônio, Eliane Dávilla Sávio; a diretora de Cultura, Thaísa Praxedes; a diretora de saúde mental, Simone Rugani, além de professores e estudantes.

AMN

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Medicamento à base de Cannabis é liberado pela Anvisa; já são 11 no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o décimo medicamento no país à base de Cannabis, nesta terça-feira (18).

O Extrato de Cannabis Sativa Ease Labs 79,14 mg/ml é obtido por meio do extrato vegetal da Cannabis sativa, planta conhecida como ‘maconha’.

A Anvisa diz que o medicamento, fabricado na Colômbia, será importado e distribuído no Brasil como produto acabado e pronto para uso.

O órgão informa que a medida foi publicada no Diário Oficial da União (D.O.U.), por meio da Resolução RE 136, de 17 de janeiro de 2022.

Segundo a agência, o remédio estará disponível sob a forma de solução em gotas para uso oral, contendo 47,5 mg/ml de canabidiol (CBD) e não mais do que 0,2% de tetrahidrocanabinol (THC) — substâncias da planta.

O medicamento será comercializado em farmácias e drogarias a partir da orientação médica por meio de receita do tipo B (de cor azul) — especial para prescrição de psicofármacos, diz a Anvisa.

Com isso, até o momento,o país dispõe 11 produtos aprovados pela Anvisa nessa categoria, de acordo Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 327/2019.

A agência reguladora reitera que, desses 11 produtos, cinco são à base de extratos de Cannabis sativa e seis de canabidiol. Confira a lista:

Canabidiol Prati-Donaduzzi (20 mg/mL; 50 mg/mL e 200 mg/mL);
Canabidiol NuNature (17,18 mg/mL);
Canabidiol NuNature (34,36 mg/mL);
Canabidiol Farmanguinhos (200 mg/mL);
Canabidiol Verdemed (50 mg/mL);
Extrato de Cannabis sativa Promediol (200 mg/mL);
Extrato de Cannabis sativa Zion Medpharma (200 mg/mL);
Canabidiol Verdemed (23,75 mg/mL);
Extrato de Cannabis sativa Alafiamed (200 mg/mL);
Extrato de Cannabis sativa Greencare (79,14 mg/mL); e
Extrato de Cannabis sativa Ease Labs (79,14 mg/mL).

CNN Brasil

Paraná registra nesta terça-feira 23.870 novos casos de covid

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta terça-feira (18) mais 23.870 casos confirmados e 21 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas, que são de 16.809 casos e três óbitos.

O monitoramento da Covid-19 mostra que o Paraná soma 1.721.264 casos confirmados e 40.727 mortos pela doença.

Os casos divulgados nesta data são de janeiro (22.499) de 2022; dezembro (113), novembro (49), outubro (90), setembro (159), agosto (218), julho (66), junho (83), maio (76), abril (49), março (85), fevereiro (29) e janeiro (34) de 2021; e dezembro (83), novembro (128), outubro (28), setembro (26), agosto (26), julho (24), junho (3), maio (1) e abril (1) de 2020.

Os óbitos são de março (3), abril (4) e dezembro (2) de 2021 e janeiro (12) de 2022.

INTERNADOS – 68 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados em leitos SUS (27 em UTIs e 41 em leitos clínicos/enfermaria) e nenhum em leitos da rede particular (UTI ou leitos clínicos/enfermaria).

Há outros 856 pacientes internados, 305 em leitos de UTI e 551 em enfermarias, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

ÓBITOS – A Sesa informa a morte de mais 21 pacientes. São sete mulheres e 14 homens, com idades que variam entre 38 e 92 anos. Os óbitos ocorreram entre 25 de março de 2021 e 18 de janeiro de 2022.

Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (6), Ponta Grossa (2), Maringá (2), Umuarama, Rosário do Ivaí, Pontal do Paraná, Pinhais, Pato Branco, Londrina, Ibiporã, Curiúva, Borrazópolis, Araucária e Almirante Tamandaré.