Plenário do STF decidirá se Lira tem prazo para analisar impeachment

O plenário físico do Supremo Tribunal Federal (STF) vai decidir se deve ser aplicado um prazo para que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), analise pedidos de impeachment apresentados contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O tema estava em julgamento no colegiado que se reúne virtualmente.

No entanto, um pedido de destaque do ministro Ricardo Lewandowski levará o caso a ser avaliado fisicamente, com transmissão ao vivo para todo o país.

A relatora da ação, ministra Cármen Lúcia, votou contra o estabelecimento de um prazo. A tendência seria de que os demais magistrados seguissem a decisão dela. Mas a mudança para o plenário físico pode gerar mudança na posição dos magistrados. A nova data do julgamento ainda será marcada. Estava em andamento no plenário virtual, mas, como foi para o físico, tem que ser pautado pelo presidente da Corte, Luiz Fux.

 

Leia mais no R7

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba teve 60% menos voos em 2020; Foz, -65%

O impacto da pandemia da covid no setor aéreo em 2020 levou a uma queda de 60,9% no número de passageiros e de 52,9% no transporte de cargas em Curitiba na comparação com 2019. Os dados foram divulgados pelo IBGE e mostram ainda que a capital paranaense foi uma das cidades mais afetadas no país.

Ao longo do ano passado foram registrados 2,48 milhões de viajantes embarcando ou desembarcando em Curitiba, enquanto em 2019 foram 6,33 milhões. A redução, de 60,9%, foi a terceira maior registrada entre as principais cidades analisadas pelo estudo, atrás apenas de Uberlândia (-64,3%) e Foz do Iguaçu (-64%).

Evangélicos contra a liberação dos jogos

A Frente Parlamentar Evangélica trabalha para evitar a votação do projeto que libera jogos no Brasil. A frente disparou mensagens a deputados evangélicos pedindo que não registrem presença na sessão da Câmara dos Deputados e votação do requerimento que, se aprovado, fará o projeto tramitar em regime de urgência, ficou para ontem e até o fechamento desta coluna ainda não foi votado.