Arquivos

Categorias

Passado “comunista” assombra Marcio Pacheco

Passado "comunista" assombra Marcio Pacheco Causou estranheza em muita gente o protagonismo do deputado estadual Marcio Pacheco na votação do requerimento pela urgência do projeto da proibição da exigência do passaporte sanitário no Paraná. Isso porque, apesar da repentina guinada à direita, Pacheco já foi "comunista". Explica-se: o neo-direitista iniciou sua vida política no antigo PPL (Partido Pátria Livre), legenda de extrema esquerda comandada pelo MR8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro).

Causou estranheza em muita gente o protagonismo do deputado estadual Marcio Pacheco na votação do requerimento pela urgência do projeto da proibição da exigência do passaporte sanitário no Paraná. Isso porque, apesar da repentina guinada à direita, Pacheco já foi “comunista”. Explica-se: o neo-direitista iniciou sua vida política no antigo PPL (Partido Pátria Livre), legenda de extrema esquerda comandada pelo MR8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro).

Na ditadura, o PPL foi uma tendência marxista que sequestrou o embaixador norte-americano Charles Burke Elbrick em 1969, assaltou (expropriou) bancos e participou da luta armada contra o regime militar. Recentemente, para sobreviver à clausula de barreira, o PPL se fundiu com o PCdoB, Partido Comunista do Brasil.

Anúncios

Após as eleições de 2018, Márcio Pacheco então saiu do PPL e foi para o PDT, também à esquerda. Será que ele não sabia? “Essa não é a posição do nosso partido”, disse o deputado Goura, presidente do PDT de Curitiba, a respeito da posição do Márcio Pacheco, que foi também relator do projeto. A proibição do passaporte é apontada, por deputados e especialistas, como uma revanche do movimento anti-vacina e dos negacionistas. “Querem transformar o Paraná no primeiro estado anti-vacina no País”, reagiu um deputado que votou contra a urgência do projeto.

Pacheco disputou duas vezes a prefeitura de Cascavel (2016 e 2020, pelo PPL e PDT respectivamente) e perdeu nas duas ocasiões. Em sua primeira eleição para deputado a defesa da família e de valores de direita não estavam em seus materiais de campanha, como pode ser visto neste vídeo.

Anúncios

Os ex-camaradas estão boquiabertos com a guinada a direita do deputado e não entendem dos porquês que o levaram a se alinhar aos bolsonaristas e negacionistas.

Um novo partido para Márcio Pacheco

Como a diferença está latente, o PDT espera que o parlamentar saia do partido senão vai enfrentar um processo de expulsão. Marcio Pacheco deve esperar a janela partidária de março e migrar a um partido alinhado com presidente Jair Bolsonaro. “Mantenho o desejo de disputar à reeleição a deputado estadual e destaco também a minha saída do PDT. Até março de 2022, vou definir a nova sigla partidária. Faço questão de frisar que esse novo partido não terá uma vírgula e nem um acento da esquerda, mas uma sigla partidária que defenda a vida e a família”, disse ele em entrevista o portal Preto no Branco.

Anúncios