Livro do Itamaraty destaca Unila entre as instituições brasileiras que promovem a língua portuguesa no cenário internacional

É fato que a UNILA é uma universidade brasileira pública com vocação internacional, que promove a integração pela educação, e que o bilinguismo é uma das principais marcas da instituição, assim como a interculturalidade e a interdisciplinaridade. E, também, que esses elementos atraem estudantes de várias nacionalidades da América Latina e do Caribe. A novidade é que a UNILA acaba de se tornar um verbete de um livro promovido pelo Ministério das Relações Exteriores. Na introdução da obra “Panorama da contribuição do Brasil para a difusão do Português”, os organizadores pontuam que o critério determinante para a escolha dos temas foi o alcance mundial das iniciativas.

A obra foi lançada em maio e integra as comemorações do mês dedicado à língua portuguesa entre os países lusófonos. O objetivo principal da publicação foi elencar vetores que evidenciem a relevância do Brasil na divulgação do idioma no mundo. As autoras responsáveis por desenvolver o verbete UNILA foram as docentes Laura Ferreira e Maria Eta, da área de Línguas da Universidade e que reuniram informações institucionais e as experiências no ensino de Português como Língua Adicional na UNILA.

No contexto do livro, que foi editado pela Fundação Alexandre de Gusmão, o verbete toma o status de gênero jornalístico, escolhido pelos diplomatas responsáveis pela publicação. Trata-se de uma mescla de textos de divulgação científica, que adotam levemente o estilo jornalístico na escrita, permitindo o uso de infográficos, entrevistas, coleta de dados e informações relevantes para compor o objetivo principal. A obra é descrita como sendo de referência, reunindo 33 verbetes escritos por especialistas em diversas áreas do conhecimento, que revelam a importância da cultura brasileira em sua formação como artífices da palavra em língua portuguesa. O livro pode ser acessado pelo site da Biblioteca Digital da Fundação Alexandre de Gusmão. 

A concepção do verbete

A docente Laura Ferreira explica que a primeira parte do texto traz informações sobre o que é a UNILA, sobre o bilinguismo, o contexto institucional, como funciona o Ciclo Comum de Estudos – no qual o ensino de línguas adicionais está incluído – e a importância do ensino desses idiomas dentro do contexto de todos os cursos de graduação. Na sequência, as autoras avançam para explicar como funcionam os cursos mais específicos de Letras e de formação de professores, e abordam as ações de extensão e pesquisa que têm como foco a promoção da língua portuguesa e da cultura brasileira.

A UNILA foi convidada a integrar a obra com outras instituições que também receberam os devidos destaques. As autoras aceitaram o desafio de relatar a importância da divulgação de questões linguísticas da Universidade, assim como o trabalho dos discentes que por aqui passaram ao longo dos anos. A docente Maria Eta reforça experiências como a do estudante paraguaio Derlis Sandoval Troche, que, ao ingressar na instituição, declarou-se professor de língua guarani, aprendeu a língua portuguesa na UNILA e participou de cursos de extensão ensinando guarani para a comunidade de Foz do Iguaçu. Após a formatura, ele assumiu o cargo de intérprete de português-guarani no Parlamento do Mercosul (Parlasul).

Entre outras experiências relatadas, também está a da argentina Silvana Maria Mamani, que participou ativamente de projetos de pesquisa relacionados ao ensino e à aprendizagem de línguas. Após concluir o mestrado em Linguística Aplicada na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), ela tornou-se professora substituta na Universidade Federal de Goiás (UFG), tendo passado anteriormente por universidades na Argentina para o ensino de língua portuguesa, além de Campinas e Belo Horizonte, no Brasil.

Origem dos estudantes estrangeiros

“A UNILA é uma potência para a promoção de língua e cultura no contexto da América Latina, tanto do português como do espanhol. Colhendo esses depoimentos, a gente tem muita noção da importância do que somos e o que fazemos”, conta Laura Ferreira, lembrando que os depoimentos dos alunos e o levantamento realizado nas instâncias internas da UNILA mostram o quanto os trabalhos realizados na área são grandiosos, em termos de quantidade e qualidade. Ela reforça que isso não é apenas em relação à língua portuguesa – visto que o idioma não é promovido isoladamente –, mas que também ocorre com a língua espanhola, e que esse conjunto promove o bilinguismo, uma das grandes marcas da instituição. O infográfico acima mostra o levantamento sobre a origem dos estudantes estrangeiros que ingressaram na UNILA (discentes ativos e os que já concluíram seus cursos).

Uma das principais dúvidas levantadas pelos estudantes de outros países que desejam ingressar na UNILA é se há ou não a necessidade de saber falar a língua portuguesa ao ingressar em um curso de graduação da Universidade. Porém, a convivência com nativos geralmente é o principal aprendizado, além das aulas que dedicam 120 horas específicas de línguas adicionais (o aluno brasileiro participa de estudos de língua espanhola, enquanto o estudante de demais nacionalidades aprende a língua portuguesa). No livro, as autoras exemplificam que, no segundo semestre de 2020, no período de Ensino Remoto Emergencial, foi ofertada a disciplina de Português Adicional Básico, para a qual se inscreveram estudantes de 14 nacionalidades e de 22 diferentes cursos.

Esses estudos de línguas adicionais contemplam o Ciclo Comum de Estudos, que compreende os três primeiros semestres da graduação, juntamente com disciplinas específicas do curso ao qual o aluno está matriculado. O Ciclo Comum é um conjunto de disciplinas obrigatórias presente em todas as carreiras e é composto pelo ensino das línguas portuguesa e espanhola, Epistemologia e Metodologia, e estudos sobre América Latina e o Caribe.

Seleção Internacional

O Processo Seletivo Internacional 2021 está com inscrições abertas até o dia 3 de junho. São ofertadas 708 vagas em 29 cursos de graduação, com aulas previstas para iniciar em outubro de 2021. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas diretamente no site da UNILA. O convite para esse desafio é: “Rompe tus fronteras!”.

Assessoria

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Onça-pintada é flagrada passeando por rodovia do Parque Nacional do Iguaçu

Onça-pintada foi flagrada em rodovia do Parque Nacional do Iguaçu — Foto: Reprodução

Uma onça-pintada foi flagrada na manhã de quarta-feira (12) passeando por uma rodovia no Parque Nacional do Iguaçu, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. O local é utilizado por funcionários do Parque e por turistas para acessar as Cataratas do Iguaçu.

O autor das imagens é o brigadista de incêndio do parque, Everson Souza da Silva Faleia. Ele explicou que passa pelo local diariamente orientando os motoristas que utilizam a via, para conscientizar sobre a proteção da fauna no local.

“Estava fazendo monitoramento da rodoviária, no projeto do setor de pesquisa, para evitar animais atropelados na rodovia. Conscientizamos os motoristas que no parque nacional precisamos proteger nossa fauna reduzindo a velocidade e dobrando a atenção.”

Especialistas do Projeto Onças do Iguaçu acreditam que essa seja a onça Indira, que nasceu no parque em 2018 e desde então vem sendo monitorada pelo projeto.

Para ver o vídeo e continuar lendo a matéria acesse G1 Globo.

Obras e melhorias na segurança pública somam investimento de R$ 150 milhões na região de Foz

Cadeia pública de Foz do Iguaçu- Foto: SESP-PARANÁ

A estratégia do Governo do Paraná de preparar projetos e buscar recursos para a construção de novas unidades da segurança pública e a aquisições de materiais está mudando o cenário na região de Foz do Iguaçu, no Oeste.

Quase R$ 150 milhões estão sendo investidos para melhorar a estrutura das polícias para o enfrentamento à criminalidade, pelo Estado e pela Itaipu Binacional. Algumas obras já caminham para a finalização, como as cadeias públicas de Foz do Iguaçu e de Guaíra, o que vai permitir uma readequação da população carcerária na região.

Os dados foram apresentados pelo secretário de Estado da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, ao vice-prefeito de Foz do Iguaçu, Delegado Francisco Sampaio, nesta terça-feira (11). Para o secretário, o legado da atual gestão da Segurança Pública é de modernidade e de gestão inteligente na aplicação dos recursos públicos.

“Foi uma reunião muito importante em que apresentamos ações e obras em andamento, bem como as estratégias para fortalecer a segurança pública”, disse. “Isso criou uma motivação extra e uma sinergia para trabalharmos ainda mais nas melhorias do serviço prestado ao cidadão”.

Durante a passagem em Foz do Iguaçu, ele participou da reativação do Grupamento de Turismo da Guarda Municipal de Foz do Iguaçu no Marco das Três Fronteiras.

O vice-prefeito de Foz do Iguaçu destacou todo o esforço aplicado em obras e investimentos na cidade, e citou também o trabalho da Força Nacional e das polícias estaduais no aumento da segurança no entorno da Ponte Internacional da Amizade. “O secretário é um parceiro da fronteira, trouxe a Força Nacional e arquitetou um plano integrado junto com a Polícia Militar e a Polícia Civil para reforçar as ações nas imediações da Ponte da Amizade, tanto é que estamos há mais de 40 dias sem registro de crime patrimonial naquela localidade”, afirmou Francisco.

Somente do Governo do Estado, com apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), são R$ 97.825.868,96 aplicados em favor da modernização das polícias que atuam na região de Foz do Iguaçu. Além deste montante, mais de R$ 50.736.713,27, obtidos por meio da parceria com a Itaipu Binacional, também estão sendo investidos em Segurança Pública.

O vice-prefeito disse ser testemunha das mudanças da área na cidade, principalmente com relação à transferência de gestão de carceragens da Polícia Civil para a Polícia Penal. “Agora temos delegados e investigadores atuando na missão para a qual foram preparados, dando maior atenção às investigações e inquéritos. Isso foi graças ao planejamento da Secretaria, que deu uma atenção especial a esse tema”, disse.

OBRAS – A nova sede do 9° Grupamento de Bombeiros, outra obra de destaque, está com 25% das obras concluídas. As obras da Cadeia Pública de Foz do Iguaçu estão em fase final, com 93%, assim como da Cadeia Pública de Guaíra, com 95% dos trabalhos concluídos. A previsão para entrega das duas unidades é para o primeiro semestre deste ano. Somente com essas duas unidades, serão abertas mais 1,5 mil novas vagas no sistema penitenciário da região.

Já a Delegacia Cidadã de Guaíra padrão II está com previsão de início da obra para fevereiro. Além disso, novas motos BMW foram entregues à Foz e região recentemente e já estão sendo aplicadas no trabalho diário.

PRESENÇAS – A reunião contou com as presenças do secretário municipal de Segurança Pública, Reginaldo José da Silva; do secretário municipal de Turismo, Paulo Angeli; do diretor-superintendente do Foztrans, Licério Santos; do diretor-geral da Guarda Municipal de Foz do Iguaçu, inspetor Edimar Langnier; do presidente do Codefoz (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu), Felipe González; do subcomandante do 14° Batalhão da PM, major Renato Marchetti; e do representante do Comando do 9° Grupamento de Bombeiros, major Marco Antônio Ferreira Pereira.