Arquivos

Categorias

Hoje “negacionistas”, deputados foram a favor de passaporte vacinal no passado

rês deputados do Paraná, hoje críticos do passaporte da vacina, votaram a favor ou apresentaram projetos para medidas que exigiam comprovante de vacinação anteriormente

Três deputados do Paraná, hoje críticos do passaporte da vacina, votaram a favor ou apresentaram projetos no passado para medidas que exigiam comprovante de vacinação. O que mudou?

O projeto que proíbe o passaporte de vacina no Paraná passou com placar apertado na Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa. Por 4 votos a 3 a proposta do deputado Ricardo Arruda (PSL) foi aprovada pela Comissão graças ao voto de desempate do médico Dr. Batista.

Presidente da Comissão, Dr. Batista votou após o empate na discussão da matéria. Votaram contra o projeto os deputados Arilson Chiorato (PT), Cristina Silvestri (CDN) e Michele Caputo (PSDB). Já Delegado Jacovós (PL), Márcio Pacheco (PDT) e Ricardo Arruda (PSL) foram a favor.

Anúncios

Causou estranhamento o posicionamento de Dr. Batista numa matéria classificada por muitos como negacionista. Ainda mais analisando o histórico do médico que em 2010 propôs a lei 16.504 exigindo a apresentação de caderneta de vacinação na matrícula de crianças em creches, escolas maternais, jardins de infância e no pré-escolar, da rede pública ou particular. A lei foi aprovada e sancionada pelo então o governador Orlando Pessuti.

Se o Dr. Batista – especialista em medicina preventiva e planejamento familiar – tivesse votado contra a ideia, classificada por muitos como negacionista, o assunto seria enterrado na Comissão e nem chegaria ao plenário.

Anúncios

Leia mais

Passaporte da vacina

Mas a “mudança” de posicionamento não é exclusiva de Batista. O próprio deputado Ricardo Arruda (PSL), autor do atual projeto e crítico raivoso do passaporte vacinal, e o cascavelense Márcio Pacheco (PDT) também tinham outra opinião em 2018.

Em maio daquele ano, os dois votaram duas vezes a favor do projeto de lei nº 255/2017, que tornava obrigatória a apresentação da carteira de vacinação dos alunos de até 18 anos no ato de suas respectivas matrículas realizadas em todas as escolas da rede pública e particular. A proposta, de autoria do deputado Tião Medeiros (PTB), foi sancionado no mesmo ano pela então governador Cida Borghetti.

Anúncios

Segundo o texto do projeto, a carteira de vacinação deveria estar atualizada, com os atestados de todas as vacinas consideradas obrigatórias, de acordo com o Calendário de Vacinação da Criança e do Adolescente, em consonância com as disposições do Ministério da Saúde e da Secretaria de Estado da Saúde. A proposta ainda determina que só será dispensado da vacina obrigatória o matriculando que apresentar atestado médico de contraindicação explícita da aplicação da vacina.

Hoje os dois estão na linha de frente contra qualquer medida que possa cobrar comprovante de vacinação para adentrar em locais públicos

Anúncios