Covid-19: Brasil avalia aplicar dose de reforço a público específico

Parte da população brasileira deverá receber uma terceira dose da vacina contra a Covid-19. A avaliação foi feita nesta segunda-feira (16) pela secretária de enfrentamento à covid-19 do Ministério da Saúde, Rosana Melo.

Ao participar da reunião da Comissão Temporária da Covid-19 do Senado, nesta segunda-feira (16), a secretária avaliou que a experiência norte-americana – motivada pelo avanço da variante Delta do vírus e pelo relaxamento de medidas sanitárias – de mais uma dose, deverá ser acompanhada pelo Brasil. É o caso de pessoas com sistema imunológico mais frágil como transplantados, portadores do vírus HIV e de pacientes com câncer.

“Temos alguns estudos preliminares, porém esses estudos não foram publicados. São discussões internas, nem podemos publicizar tanto, em respeito aos pesquisadores, porém já estamos tomando decisões em nível de gestão, o que fazer, o que planejar, quantificar esses grupos que precisem, a exemplo do que aconteceu na semana passada nos Estados Unidos”, adiantou. Ainda segundo Rosana, no Brasil, os grupos prioritários, caso a estratégia se confirme, não devem ser diferentes dos priorizados nos Estados Unidos.

Os países que já aplicam a terceira dose se basearam em estudos que indicam que a imunidade diminui com o tempo.

Dúvidas

Ao responderem a perguntas dos senadores, sobre um possível reforço de dose de imunizantes contra o novo coronavírus, os especialistas deixaram claro que algumas questões ainda estão em análise. Perguntas sobre quais imunizantes poderão ter uma terceira dose e se uma pessoa poderá tomar o reforço de uma vacina diferente do que tomou inicialmente, estão nessa lista.

Delta

Especificamente sobre a variante Delta, a avaliação do Ministério da Saúde é que, no Brasil, ela surgiu mais tímida, mas o panorama está mudando. Nesse cenário, o relaxamento de medidas preventivas por parte de gestores da saúde e da população têm contribuído para o aumento do número de casos.

“Entendemos a nossa cultura latina, mas houve um relaxamento mesmo das pessoas mais entendidas em relação a isso”, avaliou.

Também durante a audiência pública a pesquisadora da Escola de Saúde Pública Sérgio Arouca, Margareth Dalcomo, reconheceu que alguns grupos, como idosos que tomaram a CoronaVac, pessoas com deficiência e profissionais de saúde, podem precisar do reforço. Apesar disso, Dalcomo destacou que ainda não há estudos com robustez suficiente sobre a terceira dose.

“Tínhamos parado de hospitalizar pacientes idosos e voltamos a hospitalizar. A grande maioria foi vacinada com CoronaVac”, disse Margareth. A pesquisadora acrescentou que no monitoramento foi identificada a prevalência da variante Delta no Rio de Janeiro, com o aumento de internações nos últimos 10 dias.

Já a diretora da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Meiruze de Sousa Freitas, defendeu que a decisão sobre a aplicação de uma dose extra da vacina contra a covid-19 seja tomada com cautela. Segundo ela, para casos de reforço, a maioria dos países têm recomendado doses da mesma vacina já tomada, mas em algumas situações a intercambialidade é permitida.

Ao fazer uma exposição sobre como anda a discussão da terceira dose em outros países, Meiruze explicou que há debates no Reino Unido, França e Alemanha, que devem seguir a experiência de Israel que já adotou a medida. No Chile, para a população mais velha imunizada com a CoronaVac a recomendação é de aplicação de uma nova dose. “Notificamos a Pfizer na [última] terça-feira e agendamos reuniões para esta semana para discutir dados apresentados”, disse. Nos Estados Unidos, a terceira dose foi autorizada para vacinas que usam RNA mensageiro, como a Pfizer e a Moderna.

Meiruze de Souza lembrou ainda a importância de que toda a população seja vacinada com pelo menos duas doses da vacina, o que ainda não aconteceu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Foz completa nesta quinta-feira um ano de vacinação contra covid-19 com mais de 466 mil doses aplicadas

Foz do Iguaçu completa nesta quinta- (20) um ano de feira contra a covid-19 Nesta data em 2020, a Secretaria Municipal de Saúde dava início à imunização dos profissionais que atuam na linha de frente de combate ao coronavírus. A enfermeira Karin Aline Zilli, que atua no Hospital Municipal Padre Germano Lauck, foi a primeira a receber a dose inicial de imunizante.

Logo após a saúde todos os anos a partir de todos os grupos profissionais, a partir de todos os grupos de pessoas, a partir da saúde geral, a partir de todos os grupos de pessoas, a partir de todos os anos, a partir da população em geral, foi até os grupos prioritários dos 18 públicos. Na sequência foi à vez dos adolescentes, entre 12 e 17 anos.

Em números, Foz recebeu o início da campanha 513.516 doses dos imunizantes CoronaVac, Pfizer, AstraZeneca e Janssen. Deste total, já foram aplicadas 466.733 doses. No momento são 203.365 pessoas com a imunização completa (duas doses ou dose), o que equivale a 103,7% da população, e 53,222 pessoas com uma dose de reforço (terceira dose).

A imunização é uma única forma eficaz e segura para redução de doenças graves por covid-1 e ocorrências em decorrência da doença. Nas últimas semanas de festas vêm um aumento gradativo de novos casos de coronavírus na fronteira do ano. Felizmente o número de mortes não tem aumentado.

Somente neste de janeiro Foz já acumula um mês total de 7,271 infecções. Deste total, 1.209 foram confirmados na tarde de ontem (18). Dos casos ativos, 3,055 pessoas estão em isolamento domiciliar, com sinais e sintomas leves, e 25 estão internadas. As pessoas infectadas têm entre 6 meses e 90 anos.

“A doença não aumenta o risco e o aumento possível tanto nas internações quanto nos óbitos. Mas a situação é muito preocupante, porque mesmo as pessoas vacinadas podem se contaminar. Então, mais uma vez, apelando a todos que cooperam com as medidas básicas de uso de máscara, distanciamento social e higiene frequente das mãos”, destacou o prefeito brasileiro.

Para evitar que a situação se agrave, como no início da pandemia, as equipes de Saúde pedem que a população obtenha pela imunização. Boa parte das pessoas que estão internadas neste momento, com sintomas graves, não completaram o esquema vacinal. Entre 1° e 18 de janeiro um óbito foi registrado e a vítima, de 36 anos, não havia tomado nenhuma dose de vacina.

As vacinas estão disponíveis em todas as Unidades Básicas de Saúde do município e não há necessidade de agendamento. A orientação para quem ainda não recebeu a segunda dose da Pfizer ou AstraZeneca é buscar a unidade de saúde mais próxima de casa. Para a segunda dose da Coronavac, uma unidade de referência é do Maracanã.

Segundo o Ministério da Saúde e as farmacêuticas que fabricam as três vacinas, a proteção mais alta contra as formas mais graves da doença acontece duas semanas após a aplicação da segunda dose. O intervalo entre as doses da AstraZeneca é de 84 dias, 56 dias para a Pfizer e 25 dias para a Coronavac.

“Quantas pessoas tomarem a vacina pelo menos vírus não circulam no ambiente, que aqueles que por algum motivo não podem ser vacinadas mais infectadas. Por isso, quanto mais pessoas se unizarem, mais rápido será contido na transmissão pelo coronavírus”, lembra a Secretaria de Saúde de Foz.

Vacinação infantil começa hoje
A Secretaria Municipal de Saúde começa a vacinar nesta quarta-feira (19) crianças de 5 a 11 anos de idade. Nesta primeira fase da infância serão vacinadas entre 5 e 5 anos com comoridades infantis1 e 11 anos com comoridades e deficiências. A primeira dose será aplicada às 8h, na Unidade Básica de Saúde (UBS) da Vila Yolanda.

Foz 1.730 vacinas recebidas ao público infantil. A aplicação das doses das crianças será feita em nove unidades de saúde do município: UBS São João, Sol de Maio, Vila Yolanda, Maracanã, Padre Monti, Profilurb II, Vila C Nova, AKLP e Campos do Iguaçu.

Casos e ocupação de leitos
A média móvel de casos atualmente está em 819,71 em intervalo de 24 horas. Não estão chegando aos últimos dias, chegando perto de 84% (18). Dos 38 espaços disponíveis em Foz, 32 estão em utilização. Em relação à utilização da enfermaria, 45 pacientes estão internados nas 25 vagas. A ocupação nestes espaços chegou a 180%.

Gdia

Paraná registra nesta terça-feira 23.870 novos casos de covid

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta terça-feira (18) mais 23.870 casos confirmados e 21 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas, que são de 16.809 casos e três óbitos.

O monitoramento da Covid-19 mostra que o Paraná soma 1.721.264 casos confirmados e 40.727 mortos pela doença.

Os casos divulgados nesta data são de janeiro (22.499) de 2022; dezembro (113), novembro (49), outubro (90), setembro (159), agosto (218), julho (66), junho (83), maio (76), abril (49), março (85), fevereiro (29) e janeiro (34) de 2021; e dezembro (83), novembro (128), outubro (28), setembro (26), agosto (26), julho (24), junho (3), maio (1) e abril (1) de 2020.

Os óbitos são de março (3), abril (4) e dezembro (2) de 2021 e janeiro (12) de 2022.

INTERNADOS – 68 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados em leitos SUS (27 em UTIs e 41 em leitos clínicos/enfermaria) e nenhum em leitos da rede particular (UTI ou leitos clínicos/enfermaria).

Há outros 856 pacientes internados, 305 em leitos de UTI e 551 em enfermarias, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

ÓBITOS – A Sesa informa a morte de mais 21 pacientes. São sete mulheres e 14 homens, com idades que variam entre 38 e 92 anos. Os óbitos ocorreram entre 25 de março de 2021 e 18 de janeiro de 2022.

Os pacientes que foram a óbito residiam em Curitiba (6), Ponta Grossa (2), Maringá (2), Umuarama, Rosário do Ivaí, Pontal do Paraná, Pinhais, Pato Branco, Londrina, Ibiporã, Curiúva, Borrazópolis, Araucária e Almirante Tamandaré.